Moradores de Taboão da Serra criticam Sabesp por preços abusivos nas contas de água

Por Natália Bassi | 10/12/2021

Moradores de Taboão da Serra, especificamente dos bairros Vila Indiana e Parque Marabá, estão sofrendo com a cobrança exorbitante por parte da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) nas contas de água. Em contato com a reportagem do Jornal Na Net, eles relataram que de um mês para o outro, o valor subiu mais de 1.000%. Uma das famílias, que estava acostumada a pagar R$60 todo mês na conta, foi surpreendida com uma fatura de R$4.138,00. O problema se agrava ainda mais quando a empresa é procurada para resolver a situação. Conforme relato dos moradores, nenhuma resolução é dada.

“Minhas contas de água vem em média R$60. Quando foi agora nessa semana, me mandaram uma conta de R$4.138,00. Eu estou tentando entrar no site da Sabesp para fazer o contato e não consigo. Isso é um absurdo. Eu não tenho piscina em casa, mora só eu e minha esposa”, contou um dos moradores ouvidos pelo Jornal Na Net que reside no Parque Marabá.

Conforme análise das contas enviadas para o conhecimento da reportagem, o consumo de água do mês de novembro nas casas foi muito parecido com dos meses anteriores, o que não explica, portanto, o aumento exorbitante na fatura.

A preocupação aumenta quando os moradores tentam resolver a situação. Sem alternativa ou respostas, eles têm medo de terem sua água cortada e ficarem inadimplentes por um erro da própria companhia. “Já tentei agendar com a Sabesp e nada. Já tentei recurso e nada. Estou aguardando e eles não me dão retorno. Tento agendar no Poupatempo e não consigo. Eu sinceramente estou sem saber o que fazer”, relata.

Na Vila Indiana, o problema apresentado para a reportagem é bastante parecido. Um imóvel alugado, com apenas dois cômodos, situado na rua Carlos Drumond de Andrade, que sempre gastou em média R$50 mensais de água, recebeu uma cobrança de R$4.495,12.

Assim como o imóvel do Parque Marabá, o consumo de água também foi muito parecido com os meses anteriores, não sendo possível um aumento de mais de 1.000% na fatura. O valor cobrado pela companhia foge da realidade de uma família pequena, que não gasta água na proporção cobrada.

Procurada pela reportagem do Jornal Na Net para dar explicações sobre os casos, a Sabesp não respondeu até o fechamento da matéria.

Comentários