Banco Central adota medidas para tornar o PIX mais seguro

Por Natália Bassi | 30/09/2021

O Banco Central (BC), após a onda de crimes envolvendo o PIX aumentar dia após dia, decidiu adotar maiores medidas de segurança para o sistema instantâneo de pagamentos. Além disso, outras formas de pagamentos eletrônicos, como a Transferência Eletrônica Disponível (TED), também terão enrijecimento das regras.

Tanto no Pix quanto no TED, o limite de transferências entre pessoas físicas, incluindo microempreendedores individuais (MEI), das 20h às 06, será de R$ 1 mil. O mesmo vale para cartões de débito e transferências intrabancárias.

Além disso, o limite das transações não aumentará mais de forma instantânea. As instituições financeiras terão que respeitar o prazo entre 24 e 48 horas para liberar o pedido feito pelo usuário nos canais digitais. A regra será aplicada para Pix, TED, Documento de Ordem de Crédito (DOC), transferências intrabancárias, cartões de débito e boletos.

“Em conjunto, essas medidas, bem como a possibilidade de os clientes colocarem os limites de suas transações em zero, aumentam a proteção dos usuários e contribuem para reduzir o incentivo ao cometimento de crimes contra a pessoa utilizando meios de pagamento, visto que os baixos valores a serem eventualmente obtidos em tais ações tendem a não compensar os riscos”, disse em nota o BC sobre as novas medidas.

Outro detalhe importante é que a partir de 16 de novembro, os bancos poderão bloquear o recebimento de transferências via Pix por até 72 horas caso haja suspeita de fraude.

Comentários