Taboão da Serra aguarda orientações do Estado para anunciar volta às aulas

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 31/07/2020

Para anunciar uma possível volta às aulas, a prefeitura de Taboão da Serra aguarda novas orientações do Governo do Estado de São Paulo. Na cidade, os alunos da rede pública e privada estão em casa desde o dia 14 de março, quando a pandemia do novo coronavírus começou, no entanto, há a possibilidade de retornarem às atividades escolares presenciais no dia 8 de setembro, data prevista pelo Governo de São Paulo para a retomada em todo o estado. 

A informação foi confirmada pela Secretaria de Educação da cidade por meio de nota após a reportagem questionar sobre o tema. A pasta ainda informou que os protocolos sanitários adotados serão os mesmo já definidos pelo Estado no Plano São Paulo, criado para estabelecer os critérios necessários para a flexibilização da quarentena em todos os municípios paulistas. 

"A Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia informa que os protocolos sanitários de retorno das aulas e atividades em sala de aula já foram definidos pelo Governo do Estado de São Paulo, através do Plano SP. Quanto a volta às aulas, a Secretaria de Educação aguarda orientações do Governo do Estado para anunciar aos pais o retorno das aulas”, informou. 

Critérios para o retorno

A previsão para o retorno no início de setembro foi anunciada em junho, no entanto, para que a data se mantenha, é preciso que algumas exigências sejam atingidas. Pelo plano, as aulas só poderão ser retomadas caso 80% da população do Estado estiver na fase amarela há 28 dias. Atualmente, apenas 50% dos habitantes estão neste nível. Agora, é preciso que regiões da fase laranja com 30% ou mais de habitantes avance para a próxima etapa até o dia 7 de agosto, quando será feita a próxima atualização das fases. 

Taboão da Serra pertence a região sudoeste da Grande São Paulo, que está na fase amarela há mais de 28 dias, no entanto, para que a retomada das aulas presencialmente aconteça em setembro, a cidade depende do avanço de nível de outras regiões, já que o retorno não será regionalizado.

Preocupação dos pais

 

Mesmo que ainda seja uma possibilidade, a volta às aulas para setembro tem causado preocupação a pais de alunos da região, que temem uma contaminação em massa com o retorno, conforme alegaram à reportagem. “Eu não vou mandar [minha filha para a escola]. Primeiro porque eu tenho noção do que pode acontecer e segundo valorizo a vida dos amigos e dos profissionais”, disse uma moradora da região a reportagem. 

Outra também enfatizou que a filha permanecerá em casa. “Com certeza minha filha não irá para a escola. Prefiro que perca um ano letivo do que eu perder minha filha”, informou. Muitos deles sugeriram que o ano letivo fosse cancelado e retomado apenas ano que vem ou quando a vacina contra a Covid-19 fosse descoberta.




Comentários