Em Taboão, jovem tenta matar deficiente mental com facada nas costas após boatos de estupro

Por Redação | 6/10/2019

Um rapaz de 20 anos que tentou matar um homem de 41 com deficiência mental foi preso na tarde deste domingo, dia 6, no centro de Taboão da Serra. O suspeito apunhalou o homem pelas costas após ouvir boatos de que ele era estuprador.

Segundo o boletim de ocorrência, o agressor foi até a casa de seu irmão, com que a vítima mora, e chamou no portão. Após ser atendido por seu parente, tentou ir até o quarto do homem com uma faca e uma touca dizendo a todo momento iria matá-lo, mas foi convencido a ir embora.

Cerca de 15 minutos depois ele retornou ao imóvel. Desta vez, foi atendido pela própria vítima, que deixou o acusado entrar mesmo ele estando muito nervoso. Após tomar banho e jantar, o autor pediu que o homem pegasse suco na cozinha e neste momento o golpeou pelas costas, fugindo em seguida.

O homem gritou pedindo ajuda e foi socorrido pelo irmão do autor, que voltou a dormir depois que ele tinha fingido ter ido embora. O SAMU foi acionado e levou o homem esfaqueado ao hospital. A Polícia Militar também foi chamada e após ser informada sobre o crime, foi até a casa do acusado e o deteve.

Na delegacia, a testemunha disse que seu irmão passou a dizer que ia matar o homem após surgirem boatos de que ele era estuprador. Ele também disse saber que a vítima tinha problemas mentais, embora não aparentasse. A mãe também confirmou o distúrbio, mas disse que o filho tinha capacidade de relatar o acontecido.

Após ter sido levado para o hospital, foi necessário que o homem passasse por cirurgia e até a elaboração do boletim de ocorrência seu estado de saúde era estável. O suspeito, que já foi preso por furto e roubo. não quis se manifestar. No boletim de ocorrência, também não consta mais informações sobre o boato de estupro.

O caso foi registrado como tentativa de homicídio qualificado no 1º DP de Taboão da Serra e a delegada Camila pediu a conversão da prisão em flagrante para preventiva contra o acusado.

Comentários