Polícia Civil apreende em Embu jornal clandestino com informações falsas sobre Geraldo Cruz

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 12/09/2019

Uma operação da Polícia Civil realizada na tarde desta segunda-feira, dia 9, apreendeu milhares de exemplares de um jornal clandestino que circulava nos bairros da cidade de Embu das Artes. Sem CNPJ ou informações sobre sua origem, o “Diário de Embu” continha informações falsas sobre o ex-prefeito Geraldo Cruz (PT) e também trazia matérias que citavam a vereadora Rosangela Santos (PT). A distribuição era feita por uma empresa que prestava serviços à prefeitura de Embu.

Em pronunciamento, tanto Rosangela quanto Geraldo responsabilizam o prefeito Ney Santos pela distribuição do jornal já que, segundo alegam, o material foi retirado da casa de um funcionário da Secretaria de Comunicação e uma ordem de serviço com o nome de Ney foi encontrada dentro do veículo onde as tiragens estavam. O documento, que aparece em um vídeo divulgado nas redes sociais da vereadora, porém, não tem data nem assinatura.

Os petistas também alegam que a intenção do tabloide é de causar uma briga política entre eles já que ambos são cogitados para disputar com Ney, que tenta reeleição, a prefeitura nas eleições 2020. Os exemplares traziam propagandas de instituições ligadas à Rosangela, dando a entender que o material era patrocinado por ela com a intenção de manchar a imagem de Geraldo.

“Sem ações ou projetos que beneficiem a população, a única opção do Governo é atacar a imagem de seus adversários e tentar causar intriga para enfraquecer a oposição”, disse Geraldo. Já Rosangela negou envolvimento e também culpou Ney. “Olha só o que eu encontrei dentro da Kombi, uma ordem de serviço da empresa Aragon. Olha o contratante: Ney Santos [...]”, disse ela apontado para o documento.

A reportagem procurou a prefeitura de Embu das Artes, que negou participação. Por nota, a gestão municipal informou que “não foi encontrado absolutamente nada na casa do funcionário em questão”. Além disso, disse que “documento vinculado com nome do ney Santos estava em branco, e sequer foi comprovado a veracidade” e finalizou relatando que “a empresa Aragon já prestou serviço para a prefeitura, mas o último pagamento foi há mais de 6 meses”.

Confira abaixo as notas na íntegra 

Geraldo Cruz 

Uma operação policial apreendeu um veículo com milhares de exemplares de um jornal clandestino com notícias falsas envolvendo minha pessoa. Para espanto geral, os envolvidos são um funcionário público de Embu e uma empresa que presta serviço à Prefeitura. Dentro do carro foi encontrada uma Ordem de Serviço com o nome "Ney Santos". Em respeito às pessoas de bem, venho esclarecer:

1 - São falsas as informações sobre minha inelegibilidade e condenação. Não há nenhuma objeção da justiça quanto à minha participação das eleições de 2020.
2 - Esse material e conduta são crimes tipificados na nova Lei de Fakenews (Lei 13.834/2019)
3 - Já acionamos a Justiça para responsabilizar os envolvidos, restaurar a verdade e investigar se houve utilização ou desvio de dinheiro público.
4 - A incompetência e a má gestão do atual governo conduziram a cidade ao caos. Sem ações ou projetos que beneficiem a população, a única opção do Governo é atacar a imagem de seus adversários e tentar causar intriga para enfraquecer a oposição.
5 - Esclareço que em mais de 35 anos de vida pública todas as contas anuais de meus mandatos foram aprovadas pelo Tribunal de Contas com reconhecimento, nos pareceres, do zelo pelo dinheiro público e da boa gestão. Não possuo nenhuma condenação judicial com trânsito em julgado e não estou inelegível para as eleições de 2020, ao contrário, sigo disposto a contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população de Embu, e com o fortalecimento da democracia.

Rosangela Santos (texto compartilhado com vídeo no facebook)

Fui até a delegacia e recebi todo apoio da polícia para resolver esse caso de fake news que o prefeito Ney Santos tentou contra mim e o ex-prefeito Geraldo Cruz.

Nos últimos dias, muitas pessoas me enviaram mensagens sobre um suposto jornal que falava mal do ex-prefeito e fazia menção a lugares próximos a mim, como a Associação Comitiva Esperança e o Sindicato dos Químicos.

Nessa segunda, dia 9, a polícia seguiu os meninos que estavam entregando de casa em casa e chegaram até o local em que foi retirado o material: a casa de um funcionário da prefeitura.

Fui até a delegacia de Itapecerica da Serra, todos demos depoimentos e o funcionário da empresa que distribuiu os panfletos admitiu que o material estava na casa do funcionário da prefeitura.

Além disso, encontramos uma ordem de serviço muito clara: contratante Ney Santos.

Que vergonha, prefeito. Que vergonha desse tipo de política que você faz e que eu nunca vou fazer.

Tenho honra, tenho lado, tenho caráter e tenho coragem: sou Rosângela Santos.

Prefeitura de Embu das Artes

1 - Não foi encontrado absolutamente nada na casa do funcionário em questão.

2 - O documento vinculado com nome do ney Santos estava em branco, e sequer foi comprovado a veracidade.

3 - A empresa Aragon já prestou serviço para a prefeitura, mas o último pagamento foi a mais de 6 meses atrás.

Comentários