Pai que matou filha de 5 anos em Taboão por vingança de ex-mulher é levado ao CDP para aguardar julgamento

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 5/02/2019

O pedreiro Carlos José Bury que matou a filha Beatriz Pereira Buri, de apenas 5 anos, para se vingar da ex-companheira teve a prisão preventiva decretada e foi transferido para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Itapecerica da Serra na tarde desta segunda-feira, dia 04, onde aguardará julgamento. O crime aconteceu no final do ano passado, em Taboão. 

O acusado foi detido pela Polícia Civil no dia 5 de janeiro, em Cotia, e cumpria prisão temporária por 30 dias no anexo carcerário do 1º DP de Taboão. Os policiais, no entanto, chefiados pelos delegados Altamiro Nunes e Ronaldo Luis, conseguiram finalizar o Inquérito Policial com as provas que incriminavam Carlos e pediram à Justiça a conversão da prisão temporária para preventiva, que foi concedida.

Relembre o crime

O pedreiro matou a própria filha, de 5 anos, na noite do dia 27 de dezembro de 2018 para se vingar da ex-mulher, de quem estava separado há mais de um ano e com quem tentava uma reaproximação. O crime aconteceu após a menina ir passar o Natal na casa do pai, na rua Antônio Maciel de Oliveira, no Jd. Intercap, em Taboão da Serra.

Beatriz foi encontrada morta pela mãe, que decidiu ir até a casa de Carlos depois que ele não entregou a menina, conforme haviam combinado. No imóvel, ela chamou algumas vezes, mas não foi atendida e entrou. O corpo da filha foi localizado em cima da cama com hematomas no rosto e no pescoço.

O pedreiro conseguiu fugir do local do crime, mas acabou sendo detido 9 dias depois em uma casa no bairro de Caucaia do Alto, em Cotia. Na época, segundo revelou o dr. Altamiro ao Jornal Na Net, os policiais conseguiram chegar até o acusado por meio de uma ligação.

"Nós, por intermédio de uma interceptação telefônica autorização da Justiça [...], tínhamos um telefone que era do autor e com muita coragem, os policias conseguiram prender esse indivíduo", contou o delegado.

Comentários