GCM acusado de assédio é morto após voltar de festa na casa de vereador eleito em Embu-Guaçu

Por Redação | 18/11/2020

Um Guarda Civil Municipal de Embu-Guaçu de 39 anos foi morto com dois tiros na cabeça na madrugada de segunda-feira, dia 16, após voltar da confraternização em uma chácara do vereador eleito Toninho Val Flor. O autor do assassinato foi preso em flagrante horas após o crime em sua casa. 

Segundo o B.O., um rapaz e uma moça, de 20 e 24 anos, testemunharam o momento em que o guarda foi morto e disseram à polícia que a vítima ofereceu carona para eles e para L.F.P.A, de 21 anos, para voltarem da festa. No trajeto, o GCM assediou a jovem, pedindo para “ficar” com ela. 

Momentos depois, o guarda parou o carro e L.F.P.A., que sentava no banco traseiro, pegou a arma no colo da vítima e ordenou que descesse. A moça disse que ouviu três disparos, mas não viu o crime. 

Já o outro jovem relatou que L.F.P.A foi tirar satisfações sobre o assédio e atirou uma vez contra o guarda, que caiu. Logo em seguida, ele se aproximou e efetuou mais dois disparos, fugindo depois com o carro da vítima. O casal também informou que ainda  na chácara ingeriram bebida alcoólica e que no carro fizeram uso de cocaína. 

Após buscas pela casa do acusado, a GCM da cidade conseguiu localizá-lo. Ele foi levado ao pronto socorro porque apresentava lesões na cabeça e em outras partes do corpo e disse ter sido agredido pelos guardas ao ser capturado. 

Já os GCMs afirmam que foi necessário o “uso de força moderada” porque L.F.P.A tentou pegar a arma de um dos agentes após ser puxado pelas pernas do telhado, para onde fugiu com a chegada da guarda. 

Ainda de acordo com a GCM, o revólver calibre .357 do guarda morto foi encontrado em uma caixa d’água em frente à casa do suspeito. Lá, também foram localizadas uma bermuda e uma blusa que teriam sido usadas por L.F.P.A no momento do crime. 

Já o carro da vítima foi abandonado em outra rua. Dentro, havia colete a prova de balas e um um jet loader com sete cartuchos íntegros, além de uma cadeirinha de criança. L.F.P.A foi preso em flagrante e vai responder por homicídio qualificado por motivo fútil de agente público. A Polícia Civil conseguiu obter imagens de câmaras de segurança do local onde o crime aconteceu. 

Comentários