Em meio à pandemia, comércios de Taboão são alvos de denúncias sobre falta de proteção contra coronavírus

Por Redação | 26/03/2020

Atualização de matéria dia 30.03, às 18h31

Funcionários de alguns comércios que têm autorização para funcionar em Taboão da Serra estão relatando a falta de cuidados para evitar a transmissão do novo Covid-19. Na cidade, foi decretado no fim de semana estado de calamidade pública e somente os estabelecimentos essenciais estão autorizados a funcionar, contanto que sigam algumas recomendações.

Para estarem abertos, segundo decreto publicado pelo poder público municipal, os estabelecimentos devem disponibilizar álcool em gel, intensificar ações de limpeza e divulgar informações acerca do Covid-19 e sua prevenção. No entanto, conforme alegam alguns funcionários que não quiseram se identificar com medo de sofrerem retaliação, isso não vem sendo seguido.

Uma das denúncias apontam que a unidade da Petz no centro de Taboão não tem intensificado a limpeza do espaço e nem tem tomado algumas outras medidas importantes para evitar uma possível transmissão.

“Eu trabalho em um comércio de Taboão que não está entendendo o que está acontecendo. Está tendo um fluxo triplicado de pessoas. O banho e tosa continua funcionando e isso não é serviço essencial. A empresa não está higienizando carrinhos, maçaneta, não está tendo controle de entrada”, disse. A empresa, ainda conforme informou, fornece álcool em gel, mas não toma outras medidas de segurança, como evitar o aglomerado de pessoas, já que grande parte do público está indo à loja para comprar brinquedo e ver os animais.

Já no Atacadão Brasileiro, no Jardim São Salvador, funcionários alegam a falta de itens básicos de proteção. “Os funcionários estão trabalhando sem proteção nenhuma. Sem luvas e sem álcool em gel”, desabafou um colaborador. A outra, além de relatar a falta do produto para higienizar as mãos, também informou o aglomerado de pessoas dentro do estabelecimento. “Um descaso total”, completou,

No Centro de Distribuição do Ricoy, a reclamação continua sendo sobre a falta de higiene dos banheiros, além da falta sabão e de álcool em gel para os funcionários. “Nós não vamos parar, mas lá não tem álcool e nem sabão para lavar a mão. Nós chegamos e o banheiro está assim, todos os dias”, disse um funcionário ao enviar uma foto do sanitário.

A reportagem entrou em contato com as três empresas denunciadas para verificar o que está acontecendo. O CDD da Ricoy respondeu “que mantém suas instalações sempre limpas de acordo com todas as orientações da vigilância sanitária. Neste momento de crise gerada pela doença causada pelo novo coronavírus, adotou medidas extras de cuidado para proteger funcionários em primeiro lugar. No CDD de Taboão, assim como nas demais unidades, não falta sabonete e os banheiros são mantidos limpos”, informou.  

A empresa, no entanto, reconhece a falta do produto para higienizar as mãos. “Há falta de álcool em gel diante da escassez do produto em diversos locais.  É importante lembrar, no entanto, que a principal recomendação da Organização Mundial da Saúde no combate ao vírus é lavar as mãos com sabonete de forma correta e prolongada, bem como manter os procedimentos de afastamento regular entre as pessoas, além de adotar ações de higiene ao tossir e espirrar. Essas orientações estamos divulgando e exaustivamente orientando a todos.”

A Petz emitiu a seguinte nota:

- Não procede a afirmação “A assessoria da Petz foi procurada por telefone e por e-mail, mas não atendeu por nenhum dos meios”. Não houve nenhum contato telefônico com os jornalistas que trabalham na assessoria de imprensa do grupo Petz, bem como com a área de marketing da empresa. Também não houve nenhum contato via e-mail ou whatsapp. 

Sobre este tópico, porém, a reportagem já esclareu que foi feito os contatos por telefone e e-mail, enviando tais comprovações. O e-mail não era o certo da pessoa responsável por responder, mas a reportagem não teve como saber já que era o único disponível no site da empresa que presta serviço de assessoria para Petz porque ninguém atendeu ao telefone. 

- O Centro de Estética da Petz Taboão da Serra está fechado desde a última segunda-feira, (23/03), e, portanto, não procede a reclamação que teria sido feita anonimamente por uma “funcionária” da continuidade da prestação do serviço de banho e tosa.

- A Petz atende ao decreto da prefeitura de Taboão da Serra que autoriza o funcionamento de serviços considerados essenciais (mercados, farmácias, feiras livres, padarias, lanchonetes, restaurantes, lojas de conveniência, lojas que vendem comida para animal, postos de combustível e serviços de entrega). 

Na categoria de prestação de serviço essencial para animais, a Petz vem adequando as operações para garantir cada vez mais segurança aos colaboradores e clientes. O horário de funcionamento das lojas foi alterado. Na Petz Taboão da Serra o funcionamento foi reduzido ao período das 9h às 20h.

Sobre a higienização do ambiente, a Petz enfatiza que segue os mais rigorosos critérios estabelecidos pelas autoridades municipais. Desde o início da pandemia do Covid 19, as equipes de manutenção e serviços gerais fazem repetidas vezes ao dia a limpeza na loja, inclusive nos corrimãos, piso, balcões, telas, portas, maçanetas e carrinhos. 

Já a pessoa responsável por tratar do assunto no Atacadão Brasileiro não estava disponível para nos atender nas três vezes que ligamos. Na quarta tentativa, ninguém atendeu mais ao telefone. Caso a empresa queira se manifestar, o espaço está aberto. 

Comentários