Homem é preso após tentar matar a pauladas filha de ex-mulher no Jd. Trianon

Por Redação | 8/07/2019

Um ajudante de 37 anos foi preso neste domingo, dia 7, após tentar matar a ex-enteada de 24 anos, no Jardim Trianon. O crime aconteceu porque o homem estava inconformado com o término do relacionamento com a mãe da jovem e a culpava pela separação.

A moça estava no quanto no final da noite de sábado, dia 6, 0quando o homem arrombou a porta da casa e passou a agredi-la com pauladas em todo o corpo, dizendo que ela era a responsável pelo fim do relacionamento com a sua mãe. Ele só parou as agressões e fugiu depois que a ex-mulher chegou.

A vítima foi levada ao Pronto Socorro e a Polícia Militar foi acionada, mas não conseguiu localizar de imediato o agressor. Ele só foi encontrado no domingo, um dia depois de ter batido na menina.

Na casa em que foi encontrado, sua sobrinha disse que ele consumia muita bebida alcoólica e que era violento. Ele também tentou agredi-la no sábado, mas desistiu depois de ela gritar. Foi depois disso que ele tentou matar a ex-enteada.

A mãe da vítima disse que estava separada do autor há cerca de seis meses e que, depois do fim do relacionamento, ela sofria ameaças constantes do homem. Ele dizia que a mataria e se suicidaria depois.  No entanto, sua filha, conforme alegou, nunca foi ameaçada.

O agressor também foi ouvido e negou as agressões. Ele relatou que estava discutindo com a ex-mulher na residência quando a jovem caiu e se machucou.

Ele foi indiciado e tentativa de feminicídio, lesão corporal, violência doméstica, ameaça e dano qualificado. O caso foi registrado no 1º DP pelo escrivão Luis e pelo doutor Ronald, que devido a gravidade das agressões, pediu a conversão da prisão em flagrante para preventiva.

A crueldade do crime choca e evidencia que o combate a crimes desta natureza tem sido um desafio ao poder público. Este é pelo menos o segundo caso de prisão envolvendo violência contra a mulher na cidade em menos de 48h. Na sexta-feira, dia 05, a Patrulha Guardia Maria da Penha prendeu um outro homem que descumpriu a medida protetiva e expulsou a vítima de casa sob ameaças.

Em Taboão, apesar de a cidade dispor de uma ampla rede de proteção às mulheres vítimas de violência, com exemplos de políticas públicas a serem seguidas, os casos ainda são altos e refletem a realidade de todo o país.

Além do atendimento jurídico, psicológico e social prestado pela Coordenadoria da Defesa dos Direitos da Mulher, Taboão também conta com a Patrulha Guardiã Maria da Penha, que é responsável por verificar se as medidas protetivas estão sendo respeitadas. Em um ano de atuação, a guarda já prendeu 28 autores e atendeu 160 casos.

 

 

 

 

 

Comentários