Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Variedades

Taboão lança projeto piloto para homens que respondem por agressão a mulheres

Por Prefeitura Municipal de Taboão da Serra | 31/08/2014

projeto_piloto_

Ricardo VazProjeto é uma parceria entre a Prefeitura de Taboão da Serra, Poder Judiciário e Promotoria 

Um projeto piloto do Ministério Público de São Paulo de combate ao machismo e a violência doméstica, será lançado no mês de setembro, em Taboão da Serra para atender 30 homens que respondem através da Lei Maria da Penha processos de agressão as suas mulheres.

O projeto batizado como “Tempo de Despertar” é uma homenagem ao ator Robin Willians. São sete encontros quinzenais onde os participantes que assistirem às aulas terão a pena atenuada, acompanhados por uma equipe multidisciplinar com visitas domiciliares após a soltura para ver senão há novos casos de agressão. “Prestar atendimento ao agressor é uma forma de romper o ciclo de violência bem como fomentar politicas públicas favoráveis a mulher vitima de agressão”, disse o prefeito Fernando Fernandes.

O projeto é uma parceria com as secretárias de Saúde, Desenvolvimento Econômico, Segurança Pública e Coordenadoria da Mulher, Poder Judiciário e Promotoria de Justiça. “É chocante ver que a violência doméstica ainda é fato recorrente, sendo as mulheres e crianças as maiores vítimas. E, pensando nisso aceitamos o desafio de montar um grupo para atender o homem praticante do crime de violência doméstica”, salientou a secretária de Saúde Dra. Raquel Zaicaner.

Após a conclusão do curso todos serão convidados a aceitar um acompanhamento por parte de uma equipe de profissionais da saúde. “O objetivo é impedir que o ciclo de violência se perpetue. Seja em relação a atual vítima ou futuras”, reforçou Dra. Raquel.

Segundo a coordenadora dos Direitos da Mulher de Taboão, Sueli Amoedo, “a participação dos homens no grupo irá melhorar a relação do casal e reduzir o número de ocorrências, pois em 75% dos casos os homens são reincidentes podendo reproduzir muitas vezes a violência que vivenciou em sua infância ou adolescência”, comentou.

Para a promotora de Justiça Dra. Maria Gabriela Mansur, autora dessa proposta, “depois de muitos estudos e experiências com vítimas, vi a necessidade de um projeto com o agressor, voltado para o homem, que ás vezes nem sabem que está cometendo um ato violento”, concluiu. 



Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.