Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Sentença de acusados na fraude do IPTU de Taboão será dada em dezembro

Por Sandra Pereira | 14/08/2014

forum

Arquivo do Jornal Na NetFinal do julgamento está marcado para dezembro

O maior e mais complexo processo da história do Judiciário em Taboão da Serra já tem data certa para ser encerrado.  O juiz Guilherme Lamas marcou para o dia 16 de dezembro a data para anúncio da sentença dos 26 réus acusados de participação na chamada fraude do IPTU de Taboão da Serra. Nesta quarta-feira, 13, o juiz Guilherme Lamas finalizou as oitivas relacionadas ao processo, ouvindo os réus.  Após isso o magistrado agendou datas para que cada um dos acusados apresente suas observações finais, em procedimento denominado de memoriais.

Por meio da operação denominada de Cleptocracia a Polícia Civil prendeu os acusados entre os quais figuraram vereadores, servidores públicos e ex-funcionários. Parte do grupo chegou a ficar presa por mais 60 dias. 

Personagem central das prisões, o investigador Ivan Jerônimo morreu e sem o depoimento dele as acusações perderam força. Os réus esperam absolvição. Alguns deles esperam a liberação judicial para retomar a vida pública. Ex-presidente da Câmara de Taboão da Serra por dois mandatos José Luiz Eloi foi um dos presos na operação. Ele garante estar confiante de que a será absolvido. 

“Acredito que será feito justiça. Antes de morrer o próprio Ivan declarou que não tive participação em fraude do IPTU. Quero provar minha inocência e retomar minha vida onde parei”, avisa Eloi.
A audiência desta quarta-feira se estendeu até a noite. Márcio Carra, que foi preso em flagrante e acusado de realizar baixas indevidas no IPTU no sistema da prefeitura negou o crime. Ele disse ter sido coagido pela polícia civil a incriminar outras pessoas inclusive os vereadores presos.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.