Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Variedades

Taboão comemora 8 anos da Lei Maria da Penha com evento no Cemur

Por Sandra Pereira | 10/08/2014

taboao1

DivulgaçãoFaz 8 anos que a violência doméstica deixou de ser assunto tratado com sigilo dentro das casas para se transformar em política pública de enfrentamento ao problema. A partir da aprovação da Lei Maria da Penha as mulheres vítimas desse tipo de crime encontram amparo na legislação e nos mecanismos de proteção para iniciar um novo ciclo longe da violência. Taboão da Serra e Embu das Artes são as duas únicas cidades da região a contar com Organismo de Proteção a Mulher (OPA). Na quinta-feira, 7, no Cemur, Taboão celebrou com atividade de comemoração e sensibilização os 8 anos da Lei Maria da Penha. O evento reuniu servidores, mulheres vítimas de violência e autoridades municipais.

“Taboão da Serra está evoluindo no enfrentamento à violência contra mulheres. O fato da coordenadoria ter sido atrelada a Secretaria de Saúde foi positivo, pois aproximou o atendimento das mulheres agredidas dos serviços de saúde, do atendimento psicológico e social”, explica Sueli Amoedo, Coordenadora dos Direitos da Mulher de Taboão da Serra.

Por mês a Coordenadoria dos Direitos da Mulher de Taboão atende entre 100 a 130 casos. Durante o mês da copa os casos dobraram, segundo a coordenadora. A explicação dada por ela é que os maridos ficam mais agressivos durante os jogos.

Ela conta que a lei municipal da notificação compulsória dos casos de agressão pelos serviços de saúde e a Lei da Medida Protetiva de autoria da deputada estadual Analice Fernandes ajudaram a fortalecer a rede de proteção à mulher. A primeira garante que todas as mulheres agredidas sejam atendidas pela coordenadoria e a segunda faz o agressor constar no banco de dados da polícia da mesma forma que os devedores de pensão de alimentícia.

“Essas duas leis estão sendo essenciais no nosso trabalho. A gente dá orientação jurídica e faz atendimento psicológico e social. As mulheres confiam no nosso trabalho especialmente pelo fato de saber que temos o dever de guardar sigilo”, garante.

Sueli Amoedo revela que está em fase final o processo de instalação de uma Casa Abrigo na região voltada para o atendimento das mulheres vítimas de violência.

Na abertura do evento no Cemur a Secretaria de Saúde Raquel Zaicaner alertou para os casos de violência envolvendo servidoras municipais da cidade.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.