Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Bebê morre após mãe passar mais de 27 horas em trabalho de parto no HGIS

Por Ane Greice Passos | 26/05/2014

bebedentro

Ane Greice PassosEliseu Acácio de Mello, mostra o berço de sua filha Amanda, que morreu no último sábado, 24.

Uma gravidez tranquila e muito desejada, assim foram as 41 semanas que antecederam o nascimento de Amanda Letícia de Mello. Todos os exames e ultrassons mostravam que a bebê estava em ótimo estado de saúde e que seu coração batia normalmente, porém no último sábado, 24, Amanda faleceu no Hospital Geral de Itapecerica da Serra, após a sua mãe Danielle Letícia Antônio passar por um trabalho de parto que durou mais de 27 horas e que, segundo ela, só foi realizada a cesariana quando a neném já estava em risco. 

Muito abalada Danielle, contou para o Jornal Na Net o que aconteceu durante os dois dias em que esteve internada e o sofrimento de não poder ver a sua filha viva. Acompanhada de seu marido, o frentista Eliseu Acácio de Mello e de sua mãe Silvia Letícia, Danielle contou como foram as 27 horas que antecederam o nascimento de Amanda.

 Danielle foi pela primeira vez no HGIS na quarta-feira, 20, e foi orientada, inicialmente, a ir para o pronto socorro, pois no hospital só eram realizados partos de risco. Após conversar com um médico plantonista, a jovem retornou para sua casa, acompanhada da sua mãe, com a promessa que no próximo dia poderia retornar para ser internada e atendida pelo mesmo médico. 

bebedentro2

Na quinta-feira, 21, a jovem foi internada no HGIS, por volta das 15h30. Segundo Daniella às 18h30 a enfermeira aplicou um medicamento para que o trabalho de parto fosse iniciado, pois a gestante não possuía dilatação. Às 6 horas da sexta-feira, 22, outro medicamento foi aplicado, estimulando as dores do parto, após esse procedimento o bebê começou a ter os batimentos cardíacos monitorado a cada hora.

Após mais de 24 horas de internação Danielle não possuía dilatação suficiente para o parto e estava muito debilitada. “Ela não estava aguentando, não poderia ser parto normal. Eu falei: ‘Dr. Não dá para fazer uma cesárea?’ E o médico respondeu que sempre queremos fazer cesárea, mas não tinha necessidade, porque o bebê estava bem e a mãe também e por isso o parto pode ser normal”, disse a avó Silvia.

Às 22h a enfermeira obstetra pediu para Danielle tomar um banho, para induzir o parto, e após o banho o ginecologista seria chamado para tomar as providências. Nesse momento Danielle não aguentava mais de dor e não conseguia fazer mais força. Após 35 minutos no chuveiro e com sangramentos e secreções, a gestante foi encaminhada para sala de parto. 

bebedentro4
“Depois do banho a enfermeira obstetra me examinou e o coração do meu bebê estava normal. Eu disse que eu não estava mais aguentando de dor e pedi para que fosse feito uma cesárea, mas a enfermeira disse que eu estava bem e que ia ser normal”, segundo Danieele após esse atendimento a enfermeira saiu com ela às pressas, informando que o bebê iria nascer.

Danielle disse que ao chegar na sala de parto tinha uma outra mãe com um bebê recém-nascido na mesma sala, e que não foi solicitado que sua mãe realizasse nenhum tipo de higienização. A gestante afirmou para o Jornal na Net que foi hostilizada pela enfermeira, que chegou a falar para que não gritasse, “porque ninguém está aqui para escutar a sua voz”.

A avó de Amanda, chegou a notar um certo desespero e alvoroço das enfermeiras, que após algum tempo na sala de parto chamaram três médicos, que começaram a auxiliar o trabalho de parto. “O médico subiu em cima de mim e colocou o cotovelo para forçar minha barriga ele e os outros faziam muita força para o bebê nascer”, disse Danielle. 

Entre os esforços para o parto dona Silvia, afirmou ter visto o médico colocando o medidor de batimentos cardíacos e logo após começou a correria para fazer cesárea. “Quando eu vi o coração da minha neta bater a 55, eu gritei que eles tinham matado o bebê, porque eles mataram a minha neta”.

Danielle foi encaminhada para a sala de cirurgia por volta das 23h30, mas não pode ser acompanhada pela mãe. “Quando eu entrei na sala de cirurgia eu senti alguma coisa no meio da minha perna e eu sei que era minha filha. Eles pediram para eu relaxar para me dar a anestesia, ficaram tentando furar minha coluna, mas não conseguiram, tentaram umas 4 ou 5 vezes. Eles estavam muito agitados, queriam acabar logo”, afirmou.

Após o parto a mãe aguardou ansiosamente pelo choro de sua filha, porém afirma não ter escutado o choro do bebê. ”Eu estava esperando isso, que iam tirar ela e me dar. Eu não vi minha filha, eu fui ver ela morta no fim do corredor. Isso é que eu não me conformo. O pediatra falou que minha filha tinha nascido com uma baixa frequência cardíaca e logo após a médica que me atendeu falou que minha filha tinha nascido com o “cocô até o nariz”.
bebedentro5
Muito abalada Danielle disse que um dos momentos em que ficou mais nervosa e que acabou chorando muito, foi quando a médica disse que só um milagre salvaria sua filha. “Ela me disse que eu tinha que pedir para Deus para minha filha andar e falar. Eu só queria ver minha filha, eu ouvi o choro de todas as crianças quando nasceram, mas não ouvi o da minha filha. Isso é o que me mata, me deixa mais triste”.

O pai de Amanda estava trabalhando e quando foi informado, correu para o hospital para ver sua filha. Ao chegar no HGIS encontrou sua sogra transtornada, gritando que tinham matado o bebê. 

“Eles deixaram eu entrar na sala do neonatal e a bebê estava intubada e roxinha. Depois de 10 minutos retornei no local e fui informado pelo médico que a Amanda havia falecido, após uma segunda parada cardíaca”, disse Eliseu.

Os pais acusam o hospital de negligencia médica e afirmam que sua filha nasceu morta, porque forçaram o parto normal ao invés de realizaram uma cesárea. Eliseu disse que irá pedir uma sindicância no HGIS e pretende processar o hospital. “Se ela sabia desde o começo que não tinha dilatação, porque não fez a cesárea desde o começo? ”.

Muito abalada e chorando, Danielle fez um apelo para que isso não volte a acontecer com outras pessoas. “Eu não quero que aconteça com outras mães, eu passei nove meses, aguardei ansiosamente por essa criança. Eu queria ver minha filha nascer, eu ouvi o choro de todas as crianças e não ouvi o dela, eu só vi minha filha morta. Ninguém deve passar pelo o que eu passei”.

Eliseu tenta dar força para a sua esposa, que no próximo dia 28 fará 31 anos e esperava comemorar com a filha nos braços. “É uma perda irreparável, é uma cicatriz que vai ficar para o resto das nossas vidas. Por mais que tenhamos mais filhos, esse é um trauma que vai ficar para sempre”, finalizou.

O atestado de óbito de Amanda Letícia Mello foi registrado às 2 horas do dia 24 de maio, como asfixia grave ao nascer. O enterro aconteceu no domingo, 25, no cemitério municipal Recanto do Silêncio em Itapecerica da Serra. 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.