Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Itapecerica da Serra comemora seus 137 anos com o famoso desfile cívico

Por Ane Greice Passos | 8/05/2014

igrejadentrofoto

ArquivoIgreja da Matriz é um dos pontos turísticos de Itapecerica da Serra

Cidade mãe da região, Itapecerica da Serra terá o tradicional desfile cívico nesta quinta-feira, 08, em comemoração aos seus 137 anos de emancipação. Os desfiles acontecerão em frente à prefeitura, ás 8h, e no bairro do Jardim Jacira, ás 15h. A noite terá a sessão solene na Câmara Municipal a partir das 19h. 

Com a mudança de governo alguns eventos da programação da semana de aniversário foram cancelados. Entre eles os Shows da dupla Hugo Pena e Gabriel, em frente à prefeitura, e a do grupo Sampa Crew, no bairro do Jardim Jacira.

Além do desfile cívico no dia 8 de maio, o Santuário Nossa Senhora dos Prazeres, realizará no dia 11 uma missa solene em homenagem a cidade, à partir das 10h, e a paróquia Maria Mãe dos Caminhantes, no Parque Paraíso, à partir das 19h.

História de Itapecerica da Serra


A origem do nome “Itapecerica” provém do tupi-guarani, cujo significado é “pedra lisa”, ou “pedra escorregadia” (ita = pedra, pecerica = lisa, ou escorregadia). O termo inicialmente era assim grafado: “Itapycyryca”. Conta a lenda que dois índios caminhavam sobre uma enorme pedra localizada no Centro da Cidade, quando um deles escorregou e disse: “ita!” e o outro respondeu: “pecerica!”, ou “pycyryca!”. Segundo a lenda, foi a partir deste momento que o local ficou conhecido por este nome. A tal enorme pedra lisa ainda pode ser parcialmente vista na Rua Henrique Soter Fernandes, próxima ao Largo da Matriz, sobre ela estão construídas várias edificações.

Mas foi no século XVII que o aldeamento cresceu com a chegada de índios trazidos de Carapicuíba pelo sertanista Afonso Sardinha, que era proprietário da Fazendo Ubatatá (Butantã). Os índios ficaram sob a orientação do Padre Jesuíta Belchior de Pontes, que também atendia a aldeia “M’ Boy”. Em 1689 a Capela de Itapecerica já contava com mais de 900 almas sob a proteção do jesuíta Diogo Machado.

O núcleo indígena recebeu no século XIX as Colônias Alemã e Prussiana, a partir daí, tornou-se influência notável em parte da arquitetura, culinária e na miscigenação do povo itapecericano.

Em 20 de fevereiro de 1841, Itapecerica da Serra foi elevada, pela segunda vez, à categoria de “Freguesia”, sendo o seu primeiro vigário o Padre Bento Pedroso de Camargo. Itapecerica anteriormente já tinha sido elevada à Freguesia, mas perdeu a posição por um Decreto de 21 de março de 1832.
Em 1877, através da Lei Provincial nº 33, de 08 de maio, Itapecerica foi elevada à categoria de vila, pela ocasião da criação do Município de Itapecerica da Serra. E é nesta data que é comemorado o aniversário da cidade. Meses depois, em novembro, Itapecerica emancipou-se do Município de Santo Amaro, que hoje é um bairro do Município de São Paulo. Um ano antes de sua emancipação, Itapecerica contava com uma população de 4.896 habitantes, que ocupavam-se exclusivamente da cultura de cereais. Em 19 de dezembro de 1906, através da lei estadual nº 1.038 Itapecerica foi levada à categoria de cidade.

Inicialmente, o território de Itapecerica englobava as áreas onde hoje se encontram os Municípios de Taboão da Serra, Embu, Embu-Guaçu, Juquitiba e São Lourenço da Serra. Com passar dos tempos, estes distritos foram se emancipando, sendo que São Lourenço da Serra foi o mais recente a obter a emancipação político-administrativa, para se tornar Município.

Por curiosidade o primeiro “Grupo Escolar” de Itapecerica foi criado em 22 de outubro de 1935 e recebeu o nome do Padre Belchior de Pontes. 

Itapecerica, de acordo com o Decreto-Lei Estadual nº 14.335, de 30 de novembro de 1944, passou a denominar-se Itapecerica da Serra, para diferenciar-se do Município homônimo situado no Estado de Minas Gerais.

Fonte da história da cidade: Câmara Municipal de Itapecerica da Serra.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.