Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Presidente da Câmara de Taboão exige que prefeito dê respostas sobre base aliada

Por Sandra Pereira | 19/03/2014

18mar14__181

Eduardo Toledo - Assessoria de Imprensa da CMTSEduardo Nóbrega diz que governo precisa dar resposta sobre pronunciamento do vereador Marcos Paulo

Faltou luz e sobrou alfinetadas, indiretas, recados, acusações e até ameaças veladas contra a governabilidade na sessão desta terça-feira, 18, em Taboão da Serra. Insatisfeito com o fato do prefeito Fernando Fernandes não ter se posicionado com dureza contra o líder do Pros na Casa, vereador Marcos Paulo, o presidente da Câmara Municipal e líder do PR, Eduardo Nóbrega, cobrou uma resposta do prefeito ao pronunciamento de Marcos Paulo na última sessão – relembre aqui. O presidente disparou contra Marcos Paulo, a vereadora Érica Franquini e acabou acertando também Marco Porta. O objetivo dele é dar um ultimato ao governo em nome das bancadas do PTB, PSDB e PP. As declarações do presidente foram dadas em coletiva à imprensa no final da sessão.

“A base vai aguardar a resposta do prefeito. Há um ano estamos aguardando e trabalhando de maneira tranquila. Hoje a base deixa claro ao governo que o momento de dar a resposta é agora. Podemos falar até em obstrução. Não saíremos em defesa ou ataque a nenhuma circunstância política sem saber quem somos ou quantos somos. É impossível discutir política ou entrar num período eleitoral sem saber quem é seu time”, avisou Eduardo Nóbrega, acrescentando que o governo não tem um interlocutor político na Casa. “Quem é o líder do governo na Casa? Se for o Marco Porta não fez seu papel essa semana. Não o vi em reunião. Não o vi conversando com liderança. Não vi nenhum esforço dele, se houvesse o projeto dos Bombeiros estaria aprovado”, completou o presidente. 

O vereador Marcos Paulo reagiu prontamente as declarações acusando o PR e seu presidente de impedir que o governo “navegue em águas tranquilas”. Ele chegou a afirmar que o presidente Eduardo Nóbrega é “a maior oposição que o prefeito tem na Casa” e o acusou de por a faca no pescoço do prefeito. Marcos Paulo garantiu fidelidade a Fernando Fernandes, disse que nunca travou os projetos do governo na Casa e chegou a declarar que o Eduardo Nóbrega não quer o bem do governo. Paulinho revelou que a mesa não assinou o regime de urgência para o projeto do Executivo que cria o Bombeiro Civil na cidade. A contratação deles seria por meio de concurso público, em razão desse ser um ano eleitoral há prazo para que a lei seja aprovada. 

“Quem é governo quer o bem do governo e quer a paz do governo. O  Pros nunca votou contra o governo. Nunca emendou projeto. Não pediu vistas e nem obstruiu votação. Quando falei de tribuna foi em nome do Pros e não de outros partidos. Não sou líder de grupo nenhum na casa. O Pros é base do governo e quer o bem do governo. Quando o líder do PR pediu de tribuna espaço de secretaria para o PR  ninguém o retaliou por conta disso. É natural buscar esses espaços. Agora quando o Pros encaminhou não foi no sentido de cortar, foi para valorizar o grupo. Temos por exemplo o líder do DEM que também está em busca da valorização que eu falei”, respondeu Marcos Paulo ao presidente. 

A relação entre os vereadores de Taboão da Serra não anda bem faz tempo. O pano de fundo do impasse que se instalou na Casa vai além da eleição da nova mesa diretora. Os insatisfeitos garantem que na realidade o imbróglio passa diretamente pelo tratamento que os edis recebem da atual mesa, em especial do presidente, a quem o grupo de insatisfeito acusa de não respeitar os demais. 

“Há um tensionamento claro e negar não seria correto e nem coerente. O próprio líder do Pros falou que estava mandando um recado e o prefeito precisa se posicionar. É hora do governo apontar quem é a base. O governo não pode fazer ouvidos moucos. Tem que dar uma satisfação à base, dar uma resposta. Senão dá margens a ilações. O grupo original, que foi eleito com o governo espera uma resposta. Esse ano é um ano importantíssimo. Um ano de eleição. Nós vamos pra rua e precisamos de uma resposta do governo sobre quem é a base”, asseverou o presidente.  

Já Marcos Paulo afirma que seu discurso foi de valorização e não de segregação. “Quem é governo quer a paz dentro do governo. Pra mim o grupo original hoje não tramitou um projeto do governo. Isso levanta a discussão sobre quem é governo realmente. O Bombeiro Civil é um projeto bom para a cidade. Eles vão ser treinados pelo Bombeiros e atuar junto ao SAMU, ou fazer poda de árvore, por exemplo, e o projeto tem prazo para ser votado. Nós não colocamos a faca no pescoço do governo. Queremos valorização. No meu discurso eu não pedi retaliação contra ninguém. A maior oposição ao governo nessa Casa ao meu ver é o líder do PR”, desabafou. 

Eduardo Nóbrega também cobrou o prefeito a se posicionar sobre a vereadora Érica Franquini que teria feito várias falas contra o governo na Casa. Ele disse a imprensa que a vereadora teria dito de forma agressiva que estava cansada e que o prefeito poderia tirar os cargos do PDT. Ele disse que não pediu ao prefeito a saída da vereadora da base governista. 

“Diante dessa postura agressiva da vereadora o grupo vencedor das eleições, o grupo orginal, o grupo vencedor das eleições, ou o grupo que defende o governo, se coloca querendo uma decisão do governo. O posicionamento da vereadora Érica deixa claro que ela não é governo. Ela se coloca todo o tempo como oposição. Não cabe a nós pedir a saída de ninguém, mas temos que saber a resposta do governo”, disse.

Sobre a vereadora Érica o vereador do Pros disse nunca ter presenciado qualquer atitude dela que demonstrasse infidelidade ao governo do prefeito Fernando Fernandes. "Ela nunca votou contra o governo. Nunca expôs o governo. O vereador expressa se é governo ou não voto".

Passava das 22 horas quando a falta de luz no plenário levou o presidente a suspender os trabalhos da Casa. Nesta terça-feira os vereadores aprovaram a criação do Dia da Prerrogativa do Advogado de Taboão da Serra criado para garantir o direito dos profissionais no exercício de suas atividades. Também foram aprovados projetos do vereadores André Egydio,  Carlinhos do Leme, Érica Franquini e José Aparecido.

A reportagem do Jornal na Net tentou contato por telefone com a vereadora Érica Franquini para comentar as declarações do presidente da Câmara mas ela não atendeu ao telefonema.  

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.