Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Vereadores de Taboão aprovam Orçamento de 2014 e projetos da pauta na última sessão do ano

Por Sandra Pereira | 18/12/2013

camara

Eduardo Toledo - Assessoria de Imprensa da Câmara de TaboãoVereadores aprovaram transmissão de parto online, convênio para capacitar servidores para lidar com autistas e taxa do Corpo de Bombeiros

Em três sessões consecutivas os vereadores de Taboão da Serra aprovaram nesta terça-feira , 17, o Orçamento da cidade para 2014, cuja previsão é estimada em R$ 673 milhões. A única emenda aprovadas ao orçamento foi a destinação de R$ 1.3 milhão para a Secretaria Municipal de Cultura.  A Câmara também garantiu ao prefeito a possibilidade de remanejar 30% da receita municipal de 2014. Eles aprovaram ainda o projeto que prevê a transmissão online de partos na rede  pública municipal, de autoria do vereador Marcos Paulo, com voto contrário do vereador Lune. O projeto do vereador Ronaldo Onishi que autoriza o município a celebrar convênios com entidades para qualificar servidores que vão trabalhar com crianças autistas foi aprovado por unanimidade. Os parlamentares também discutiram e aprovaram a implantação da taxa para a implantação do Corpo de Bombeiros, que deverá ser implantado na cidade em 2014. Os vereadores Lune e Moreira votaram contrários à criação da taxa.

A primeira sessão do dia da Casa estava marcada para acontecer a partir das 14 horas. Começou com mais de uma hora de atraso. Mesmo assim os vereadores permaneceram em plenário por quase 10 horas, período de trabalho recorde para essa legislatura. Durante o debate sobre o Orçamento os parlamentares da oposição criticaram a retirada das emendas que haviam sido proposta pelos vereadores. Após aprovar o Orçamento de 2014 a Casa entra em recesso.

Mantendo a característica natural desse ano legislativo os debates na Casa entre os vereadores de oposição e da situação foram intensos. Já passava das 22 horas quando os vereadores começaram a discutir o projeto que criava a taxa necessária à implantação do Corpo de Bombeiros de Taboão da Serra. Na legislatura passada, também no final do ano Legislativo integrantes da corporação estiveram nas cidades da região pedindo a aprovação da taxa, que somente não ocorreu em Taboão da Serra - relembre aqui e aqui. Naquele momento Embu das Artes aprovou a taxa e em seguida recebeu a corporação. Itapecerica também o fez sob pena ter o Corpo de Bombeiros levado para outra cidade. 

Segundo o vereador Ronaldo Onishi pouco mais de 100 cidades no Estado têm Corpo de Bombeiros. Ele disse que a corporação é a instituição mais respeitada do País e citou que seus homens são heróis treinados para salvar vidas, muitas vezes em detrimento de sua própria vida.

“O Corpo de Bombeiros precisa desta taxa. E aqui não é uma questão partidária. Em todos os municípios onde a corporação existe ela foi votada e aprovada. Os comerciantes e os empresários são favoráveis à taxa, que não irá onerar a ninguém mais vai garantir a luta em favor da vida”, afirmou o vereador, explicando que o valor da cobrança é simbólico, um supermercado de 100 metros quadrados vai pagar R$ 96,00 ano. 

A vereadora Érica da Enfermagem lembrou que sem a taxa o Corpo de Bombeiros não pode ser instalado na cidade. “Se o vereador Lune for a favor do Corpo de Bombeiros tem que ser a favor da taxa. Sem a taxa não tem bombeiro”.

Já o vereador Moreira  reclamou da cobrança abusiva de impostos e criticou a criação de novas taxas. “Daqui há pouco vamos ter que pagar para entrar nas próprias casas”, disparou.
O vereador Marcos Paulo criticou o voto contrário da oposição. Disse ficar triste de ver dois de seus pares votando contra o Bombeiros. “A cobrança da taxa não é exclusiva de Taboão. O  Corpo de Bombeiros é um sonho antigo da cidade. Não podemos abrir mão dele”, afirmou. 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.