Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Câmara de Taboão rejeita contas de 2010 de Evilásio Farias e Márcia Regina

Por Sandra Pereira | 11/12/2013

sessao

Vera LimaRejeição se deu por 8 votos contra dois e a ausência de três vereadores 

Quando a sessão desta terça-feira, 10, começou já era dada como certa a rejeição das contas de 2010 do ex-prefeito Evilásio Farias e da ex vice-prefeita de Taboão da Serra, Márcia Regina. Ela ocupou a prefeitura da cidade durante 19 dias em 2010 e foi penalizada junto com Evilásio com a rejeição das contas. Nenhum representante legal de ambos acompanhou a sessão que rejeitou as contas por oito votos contra dois. Márcia Regina apresentou defesa à câmara em mais de 300 páginas, segundo o vereador Moreira. Evilásio Farias ignorou a votação. Não fez defesa prévia e nem enviou representante a Casa. A decisão deixa ambos inelegíveis. Os vereadores disseram que a ex vice-prefeita deve recorrer ao Judiciário pra reverter a decisão. 

Um verdadeiro calhamaço de documentos empilhados numa mesa no centro do plenário indicava que a sessão seria longa já que a pauta em questão era extensa. A ausência dos vereadores Marcos Paulo, Luzia Aprígio e Ronaldo Onishi também era indicativo da “anormalidade” da sessão. O presidente da câmara justificou no plenário na ausência de Onishi motivada por problemas de saúde. Passava das 21 horas quando Eduardo Nóbrega anunciou a prorrogação da sessão por 4 horas.

Na tribuna o vereador professor Moreira afirmou que o Tribunal de Contas errou ao julgar as contas em conjunto do prefeito e da vice. Segundo ele o correto seria a avaliação separada. Moreira usou a Constituição Federal para pedir que os vereadores derrubassem o parecer do tribunal. O vereador se esforçou ao máximo para impedir a rejeição de contas de Márcia Regina, mas o esforço dele foi em vão.

“Não tem como ignorar o parecer ilegal do Tribunal de Contas. A professora Márcia Regina não pode ter a mesma punição que o Evilásio Farias. Ela esteve no cargo por apenas 19 dias. Jamais poderia ser responsabilizada por eventuais erros. Não dá pra julgar os desiguais de forma igual”, declarou Moreira.

O relator das contas na câmara, o vereador Cido da Yafarma, defendeu a rejeição das contas com base nos apontamentos feitos pelo Tribunal de Contas. Disse que a quantidade de irregularidades na prestação de contas da administração em 2010 chega a ser vergonhosa.

 “A Casa não vai separar os processos. Infelizmente a professora Márcia vai ter que cumprir a máxima bíblica: diga-me com quem andas que eu te direi quem és. Foi andar com o Evilásio: olha ai”, afirmou o presidente da câmara, vereador Eduardo Nóbrega.

Ele disse que tentou entender porque o Tribunal não fez a separação entre as contas do prefeito Evilásio e da vice-prefeita, mas afirmou não ter encontrado tais elementos.

“Não encontro os autos nenhuma prova cabal de que a Márcia tenha cometido alguma irregularidade. Mas devo votar de maneira global e é impossível não votar pela rejeição das contas. O Tribunal não nos deixa margem pra fazer a discussão política do fato. Não tem como não votar pela rejeição das contas” observou.

Para garantir o direito a ampla defesa do ex-prefeito Evilásio Farias e da vice Márcia Regina a câmara nomeou o dr. Augusto, procurador da Casa como defensor de ambos. Utilizando a tribuna da Casa o procurador alegou que o ex-prefeito cumpriu todos os limites legais previstos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, especial nas áreas de saúde, educação e pessoal. Citou que o parecer do Tribunal fere o princípio da isonomia uma vez que trata os desiguais de forma igual.

“Se o Evilásio não deveria ter sido condenado a Márcia então seria menos ainda. Ela não é citada em nenhuma parte do acórdão. O Tribunal fala do processo do IPTU. No fórum ninguém foi condenado porém o ex-prefeito que nem é réu no processo já foi condenado pelo Tribunal de Contas”, defendeu. 




Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.