Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Embu das Artes lança projeto Saúde da População Negra em Seminário

Por Prefeitura da Estância Turística de Embu das Artes | 25/11/2013

IMG_1420

DivulgaçãoEm um discurso emocionado, Regina Nogueira afirmou que 14 mil jovens negros morreram no Brasil no ano passado

Dentro das comemorações do Mês da Consciência Negra, em 21 de novembro, no Centro Cultural Mestre Assis de Embu, o Governo da Cidade de Embu das Artes, por meio das Secretarias de Assistência Social e Saúde, lançou o projeto Saúde da População Negra durante o Seminário sobre o tema. Regina Nogueira, pediatra, doutoranda em Biomedicina e assessora da Assessoria da Saúde da População Negra de Embu das Artes conduziu o evento e apresentou a equipe de trabalho multidisciplinar.

Rodas de conversa e visitas nas unidades básicas de saúde estão entre as atividades que serão desenvolvidas visando à humanização do atendimento à população negra. O próximo passo é a capacitação desses profissionais, junto com os demais que integram o Mapa da Saúde da Região dos Mananciais, com oito municípios da região sudoeste da Grande São Paulo, e também os da Rota dos Bandeirantes. Juntas, as 15 cidades possuem 3 milhões de habitantes, sendo 50% declarados negros e pardos.


Em um discurso emocionado, Regina Nogueira afirmou que 14 mil jovens negros morreram no Brasil no ano passado. “Nosso povo está morrendo. São anos de revolta, de mau atendimento”.Ela contou sua experiência pessoal e afirmou que a população sofre muito preconceito, principalmente, nos serviços de saúde. É uma descriminalização institucionalizada. Para ilustrar o debate, foi exibido um vídeo sobre o assunto que comprova que negros e indígenas são inseridos na sociedade de forma desigual. O documentário também mostrou que os negros vivem sete anos menos que os brancos, além de abordar a inclusão do quesito raça/cor nos formulários de saúde.

Ainda segundo Regina, para que os municípios possam desenvolver políticas publicas ainda mais eficientes, é necessário que os governos comecem a exigir que os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) façam a autodeclaração de raça/cor, no momento de preencher a ficha cadastral. É uma tarefa simples, porém de fundamental importância para que a população seja identificada.

A médica sanitarista Anna Volochko, coordenadora da saúde da população negra do Estado de São Paulo, fez um resgate histórico sobre o processo de inserção da população negra no serviço de saúde, desde 1.500. O Seminário contou ainda com palestras do grupo de Saúde da População Negra sobre os temas: saúde do adulto, saúde da mulher, saúde do adolescente, educação popular, informações sobre banco de dados da saúde da população negra e tradições de matriz africana. Cilene de Almeida, coordenadora do programa Consultório de Rua abordou a saúde mental.

Marisa Araújo, da Assessoria de Igualdade Racial de Embu das Artes e membros da Comissão Municipal Provisória de Igualdade Racial marcaram presença durante todo o seminário.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.