Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Discurso do presidente da Câmara inflama sessão em Taboão da Serra

Por Sandra Pereira | 20/11/2013

essa600

Sandra PereiraEm tom firme Eduardo Nóbrega criticou Luiz Lune e garantiu aprovação da emenda da cultura ao PPA

O discurso do presidente da Câmara de Taboão da Serra, Eduardo Nóbrega (PR) pôs fogo na sessão desta terça-feira, 19. A Casa estava lotada de integrantes do Movimento Cultural aguardando a votação da emenda ao Projeto Plurianual (PPA) que destina verba do orçamento municipal ao Fundo de Cultura.  O PPA e as emendas foram aprovados na primeira votação ocorrida em sessão extraordinária realizada às 17 horas. Já na sessão ordinária as Comissões de Justiça e Redação e Finanças e Orçamento solicitaram 5 dias para analisar as emendas ao PPA. Eduardo Nóbrega, explicava o fato de tribuna, disparando críticas veladas aos pares quando Lune fez um gesto para o público indicando que tudo não passava de “conversa mole”. De pronto o presidente taxou o parlamentar de hipócrita, disse que ele não sabe cumprir acordo e o acusou de jogar contra os pares e a Casa. Lune disse que se sentiu desrespeitado pelo presidente e reclamou que as críticas recebidas são de cunho pessoal. Ele confirmou o gesto feito aos artistas.  

Ao todo 27 emendas foram feitas pelos vereadores ao PPA. A da cultura é considerada a mais polêmica. Foi proposta pelo presidente da Câmara Eduardo Nóbrega (PR) e subscrita pelos 13 vereadores. Mas, por motivações internas do legislativo anda provocando polêmica nos bastidores. 

“Não quero crer que as comissões tenham algum interesse escuso que não seja a votação do PPA e o apoio a nossa emenda. Seria irresponsável colocar nas costas da Comissão de Finanças ou de Justiça a responsabilidade, já que vossas excelências já se comprometeram a votar favorável e o homem tem que assumir e honrar seus compromissos”, alfinetou citando os vereadores Cido (DEM) e Marco Porta (PRB).  

“O vereador Cido então que tem em sua família um poeta reconhecido regionalmente, ligado aos movimentos culturais. Alguém poderia imaginar que o vereador Cido possa votar contra a nossa emenda? De maneira alguma. Então é com responsabilidade que peço aos movimentos culturais que retornem a essa Casa na próxima terça-feira para acompanhar a votação”, disse o presidente de tribuna.

Logo em seguida Eduardo Nóbrega mirou em Luiz Lune alegando que ele era conhecido por todos “como alguém que assume compromisso e não cumpre”. “Não há motivo para irresponsabilidade do vereador Lune de ficar fazendo movimento contra o Cido e o Porta. Vossa excelência está passando dos limites. Precisa ter mais consciência. Cobra compromissos, mas não cumpre. É conhecido por todos na cidade como quem não cumpre sua palavra”, bradou. 

Questionado pelo Jornal na Net sobre seu discurso e as “alfinetadas” contra os pares o presidente disse que achou razoável os vereadores Cido e Porta terem pedido prazo. “Eu podia ter feito um discurso de inflamar os movimentos culturais contra os vereadores, mas eles não estavam. O Lune está sendo desrespeitoso com a Casa. Já disse que fomos ridículos em ficar debatendo. Cobra compromissos que não existiram e tudo de tribuna. Chega o momento que é preciso alertar o colega sobre os limites dele”, citou. 

O presidente disse não ter dúvida de que a emenda da cultura será aprovada e sancionada pelo governo e adiantou que posteriormente deve ser feita uma discussão sobre quanto deve ser aplicado no fundo. 

O vereador Luiz Lune disse que o executivo está mandando na Casa. Relatou que a votação das emendas estava certa até que o presidente recebeu um telefonema do executivo e reclamou do fato da “base” demorar a se entender. Falou que estava disponível para receber as desculpas do presidente, e pouco depois ambos se abraçaram.  

“Não fizemos nada hoje porque ficamos discutindo, discutindo as emendas e depois de um telefonema elas foram retiradas”, disse. 

O vereador professor Moreira defendeu Luiz Lune, pediu desculpas aos artistas em nome da Casa e disse não acreditar que o governo destinará verba do orçamento para o Fundo de Cultura. 

Já o vereador Marco Porta negou qualquer problema de entendimento entre os pares e garantiu que a comissão precisa dos 5 dias para apreciar corretamente as 27 emendas ao PPA. Ele antecipou voto favorável à emenda da cultura e admitiu que ela é uma das mais complicadas. 

“São 27 emendas não podemos dar parecer de qualquer jeito. O 1% para a cultura está no plano de governo do prefeito Fernando Fernandes não tem porque não ser feito”. 


Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.