Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Vereadores ameaçam fechar BR se retorno para Taboão da Serra não for garantido

Por Sandra Pereira | 25/09/2013

camara_2

Sandra PereiraPresidente da Câmara voltou a criticar duramente mudança de local do retorno 

Foi a ida da comitiva de Taboão da Serra à Brasília nesta quarta-feira, 25, para reivindicar a implantação de viaduto na Régis Bittencourt, no km 276, que pautou a sessão desta terça-feira, 24. Os vereadores voltaram a criticar duramente a mudança de local do viaduto, segundo a ANTT, feita após solicitação do prefeito Chico Brito em 2009. Os parlamentares sustentam que a mudança de local no retorno beneficia empresários em detrimento dos moradores da região mais populosa da Taboão. Eles também rechaçaram a resposta da Autopista Régis Bittencourt alegando inviabilidade técnica para implantação do dispositivo de retorno em Taboão e já avisaram que em caso de negativa vão promover o fechamento da BR junto com moradores e o MTST. O prefeito Fernando Fernandes e secretários municipais também integram a comitiva. Leia mais aqui, aqui e aqui.

Os parlamentares aprovaram na sessão moção de repúdio às agressões sofridas pelo jornalista Adilson Oliveira, durante cobertura no último sábado, numa escola estadual de Taboão. Todos os vereadores defenderam a liberdade de imprensa e trataram como inaceitável as agressões sofridas pelo jornalista, que chegou a ser espancado por um grupo de estudantes. Eles também aprovaram projeto que reenquadra vencimentos salariais de 11 categorias: analista de gestão municipal, assistente social, bibliotecário, biólogo, contador, farmacêutico bioquímico, fisioterapeuta, fonoaudiologo, nutricionista, psicólogo e terapeuta ocupacional. 

“A cidade não aceita a negativa da Autopista em relação ao viaduto na região do São Judas.  Não vamos aceitar justificativa de inviabilidade técnica. Se essa for a resposta que o senhor Rui Peloso vai levar na reunião do  dia 7 quero avisar que ela não será aceita.  Estamos preparados para fechar a Régis Bittencourt e cobrar o viaduto no 276 que melhor atende os moradores de Taboão”, avisou o vereador Cido. 

O presidente da Câmara Municipal voltou a endurecer o tom das críticas contra o prefeito Chico Brito e o deputado Geraldo Cruz acusados por ele de tirar o retorno que melhor atendia Taboão.  “Vamos travar uma grande luta com o prefeito Chico Brito e o deputado Geraldo Cruz que se uniram para prejudicar Taboão da Serra. Vamos a Brasília tentar reverter isso e se  voltarmos com resposta negativa vamos nos juntar ao MTST e pararmos a BR.  É inaceitável deixar de beneficiar milhares de pessoas do Pirajuçara, deixa de beneficiar o Parque Pinheiros e a Paulo Ayres para atender interesse de empresários”, acusou Eduardo Nóbrega, que pontualmente tece severas críticas às administrações do PT nos municípios da região e no governo federal. 

 A vereadora Joice Silva defendeu o viaduto alegando que os investimentos públicos devem ser feitos para atender a população  e não os empresários. “Os empresários ficam na cidade apenas por interesse comercial e quando esse interesse acaba vão embora, enquanto os moradores permanecem. É para os moradores que os investimentos devem ser feitos”, ponderou. 

O vereador Ronaldo Onishi foi além e disse que a mudança de local do viaduto beneficia o empreendimento que está em andamento nas imediações do rodoanel Mário Covas. O parlamentar chegou a defender que a luta pelo retorno em Taboão seja levada aos tribunais

“O que querem fazer é desperdício de dinheiro público. Embu já tem outros dois retornos. Estão fazendo um terceiro. Será um por cima do outro prejudicando a população. Não podemos permitir que interesses mercantis coloquem em risco o bem estar coletivo. O retorno no local onde está previsto beneficia diretamente um grande empreendimento que já está sendo construído”, disse.


Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.