Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

Ex-prefeito Evilásio Farias prestará depoimento à Justiça na fraude do IPTU no final de outubro em Taboão

Por | 6/09/2013

forum1

Arquivo Jornal na NetPróxima audiência está marcada para o dia 31 de outubro

Ao todo dezoito testemunhas de defesa, entre elas uma preservada, foram ouvidas pelo juiz Guilherme Lopes Alves Lamas, no processo que apura a chamada fraude do IPTU na cidade de Taboão da Serra. A audiência de instrução aconteceu durante toda a última quinta-feira, dia 5 – veja alguns dos depoimentos aqui.

Após o término dos depoimentos, o juiz marcou a próxima audiência para o dia 31 de outubro, às 10h no fórum da cidade. Para a data foram arrolados como testemunhas o ex-prefeito Evilásio Farias Cavalcante e também os ex-vereadores Paulo Félix e Wagner Eckstein, entre outras testemunhas.  

A expectativa é grande diante dos depoimentos deles e, além disso, em relação ao término dessa 3ª fase do julgamento. A próxima etapa, ainda sem data definida, será marcada pelos depoimentos dos 26 réus.

Relembre o caso

Os acusados foram presos em 2010 e a primeira etapa do julgamento começou em 2011. Logo depois foi marcado para setembro de 2012. No ano seguinte entre os dias 21 a 25 de janeiro testemunhas de acusação foram ouvidas, entre elas o ex-secretário, Salvador Grisafi, Rinaldo e Rogério de Godoy.

O julgamento já é o mais importante na história de Taboão da Serra por ter entre os réus vários políticos da cidade, funcionários municipais, ex-secretários e ex-vereadores. Todos estão impedidos de ocupar cargo público. A maioria não vê a hora do julgamento ser concluído. Há os que ainda sonham em retomar a vida pública e os que planejam deixar Taboão para recomeçar a vida em outra cidade.

A fraude do IPTU, como ficou conhecido o caso, levou à prisão por 55 dias 24 acusados, os outros dois passaram mais de 90 dias presos por não terem como pagar a fiança de R$ 27 mil cada um.

Sabe-se que a ausência da principal testemunha de acusação do processo, o investigador Ivan Jerônimo da Silva, morto com um tiro no peito inicialmente caracterizado como suicídio, deve dificultar ainda mais a condução dos trabalhos da defesa e da acusação. 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.