Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

Policial e testemunha preservada depõem no segundo dia do julgamento da fraude do IPTU de Taboão

Por Sandra Pereira | 22/01/2013

julga2

Sandra Pereira Depoimentos foram marcados por contradições e críticas ao trabalho da polícia

“Não me recordo”. Essa foi a frase mais repetida pelo investigador de segunda classe Ronaldo Nogueira nesta terça-feira, 22, no segundo dia do julgamento dos réus do processo que investiga a fraude do IPTU de Taboão da Serra. Ele foi duramente inquirido pelos advogados de defesa dos acusados. Chegou a discutir com o defensor do ex-vereador Carlos Andrade e da esposa dele  Claudia Pereira dos Santos e até sugeriu que ele estudasse mais.

Outro questionamento constante feito ao policial foi sobre quem acionou a grande imprensa para fazer a cobertura ao vivo das prisões feitas na cidade, além da motivação para o vazamento à grande imprensa dos relatórios da operação Cleptocracia.

Ronaldo Nogueira  também foi questionado a respeito do “interesse político” do investigador chefe do processo, Ivan Jerônimo, morto em 8 de maio de 2012. Os advogados de defesa tentaram levantar a tese de que as prisões de ex-vereadores, ex-secretários e ex-servidores municipais teve motivação política. Ele também foi inquirido sobre um processo que responde destinado a apuração de Crime contra a Paz Pública Quadrilha ou Bando, cuja tramitação ocorre em segredo de justiça e recentemente ele obteve habeas corpus visando resguardar seu sigilo bancário, fiscal e telefônico. À pedido do advogado da defesa do réu Bruno Bolfarini os documentos foram anexados aos autos.

“Não vou responder sobre esse assunto porque é de cunho de pessoal”, disse o policial.
O depoimento do investigador foi um dos mais longos até agora. Começou durante a manhã e só foi encerrado após a pausa para o almoço às 15h30. Nesse momento o juiz Guilherme Alves Lamas determinou que réus e a imprensa deixassem o salão do júri para colher o depoimento de uma testemunha preservada. Ela adentrou o local descaracterizada, toda coberta, numa cadeira de rodas e ainda teve a voz distorcida com a ajuda do equipamento de som. Somente os advogados de defesa, o ministério público e juiz acompanharam a oitiva.

Apesar de todo o esforço para manter em sigilo a identidade da testemunha os advogados de defesa alegaram se tratar de um servidor livre nomeado da prefeitura  que havia sido exonerado após o primeiro depoimento à polícia e teria retornado posteriormente em um cargo de valor bem maior. A defesa de Bruno Bolfarini chegou a anexar aos autos cópias do que seriam as portarias de exoneração e nomeação da testemunha. Eles tentam provar que a testemunha preservada obteve vantagens após prestar depoimento já que passou a receber salário quase três vezes maior.

Nesta quarta-feira, 23, os trabalhos serão retomados às 10 horas da manhã. Ao todo a Justiça ouviu cinco das 14 testemunhas de acusação arroladas no processo.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.