Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

MTST diz que vai exigir punição de Macário e GCMs por tumulto na Câmara

Por | 3/10/2012

gcm1

Divulgação CMTSIntegrantes do MTST tentam quebrar grade e são impedidos pela GCM

O tumulto e quebra-quebra entre integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e Guardas Municipais que se deu, devido a não votação de um projeto que transforma duas áreas residenciais, uma no Jd. Helena e outra no Pq. Laguna, em Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis), para a construção de moradias para famílias carentes, na sessão da Câmara de Taboão última terça-feira (2) - relembre aqui, resultou em uma nota oficial do Movimento cobrando uma punição para Macário e GCMs pelo acontecimento. Na ocasião a Casa de Leis ficou destruída, cinco pessoas feridas, entre elas dois GCMs, e duas presas.

De acordo com um dos representantes do movimento, Guilherme Buolos um ato de denúncia, nesta quinta-feira (4) que começa na Praça Nicola Vivilechio às 9h deve tomar as ruas da cidade. Manifestantes vão seguir para a Câmara para denunciar, “a irresponsabilidade da condução da sessão feita pelo presidente Macário (PT)” e logo depois, seguem para a Prefeitura, onde exigirão reunião com o prefeito e comandante da Guarda para a identificação e punição dos responsáveis pelo acontecimento na sessão.

O Movimento ainda divulgou uma nota oficial sobre o tumulto e quebra-quebra na sessão. De acordo com a nota, cerca de 400 pessoas das ocupações Chico Mendes, Silvério de Jesus e Che Guevara foram duramente reprimidas pela GCM de Taboão da Serra, a mando do Presidente da Câmara Municipal, Vereador Macário (PT), que teria ofendido os manifestantes e encerrado a sessão sem ao menos votar o projeto.

Com isso, iniciou-se um tumulto, que terminou com tiros de arma de fogo disparados por guardas municipais, alguns inclusive à paisana e “quatro companheiros do MTST foram brutalmente espancados pelos guardas, tendo sido atendidos no pronto socorro Akira Tada”, detalha a nota.

De acordo com a nota "após o ocorrido, alguns vereadores, liderados pelo vereador e presidente da Câmara Macário, não se deram por satisfeitos e foram até o 1 DP de Taboão para buscar criminalizar o MTST e nos responsabilizar pelos danos".

“O maior responsável por toda a confusão é o Presidente da Câmara, que conduziu o processo de forma irresponsável, autoritária e leviana. Além disso, boa parte dos danos foram causados pela ação despreparada da própria GCM. São eles os responsáveis por mais de 15 feridos do MTST, sendo 3 idosos. Vale mencionar que alguns vereadores, em especial o vereador Paulo Felix, estiveram ao lado do Movimento”, afirma a nota.

O MTST exige ainda a punição dos responsáveis pelas agressões e relata que repudia as cenas de violência e a postura de alguns vereadores, em especial do Sr. Macário. “Esperamos que o Partido dos Trabalhadores adote uma conduta de punição em relação a este vereador, que reprime o movimento popular e se submete servilmente à especulação imobiliária, tendo arquitetado a retirada de terrenos de ZEIS no município”, finaliza.

O outro lado

O comandante da Guarda, Coronel Silas afirmou em entrevista por telefone ao Jornal na Net que se não fosse a presença da GCM os manifestantes teriam destruído ainda mais a Câmara. De acordo com ele, a GCM usou da força para conter parte do estrago na Câmara e não, por despreparo.

Já a assessoria de imprensa do presidente Macário (PT) afirmou que o projeto não estava na pauta da sessão e seria votado em regime de urgência. Mas, por questão de segurança a sessão foi suspensa por dez minutos, tempo que não foi respeitado pelos manifestantes.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.