Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Educação

Muitos feridos na manifestação dos professores da Rede Estadual

Por Sandra Pereira e Karen Santiago | 29/03/2010

greve_2.jpg

Manifestação acabou em  violência

Confronto, tumulto e muitos feridos. Esse foi o clima da Manifestação dos Professores da Rede Estadual de São Paulo, na última sexta-feira, 26, nas mediações do Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi. Os docentes decidiram manter a greve que teve início em 8 de março, após promoverem assembléia na Zona Sul da cidade.

Segundo a Policia Militar 16 ficaram feridos, sendo 7 policiais e 6 civis. A manifestação começou em frente ao Estádio do Morumbi. Por volta das 16h50, seis professores em uma comissão seguiu para o Palácio dos Bandeirantes, sede do Governo Paulista, onde iria conversar com representantes do governo. O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp) informou no início da noite que a reunião terminou sem acordo. “O governo quer o fim da greve para negociar”, conta o sindicato.

De acordo com a PM, 5 mil pessoas integraram o protesto e 350 policiais foram enviados para fazer a segurança da manifestação.

As vias que dão acesso ao Palácio dos Bandeirantes como trechos das Avenidas Giovanni Gronchi e Morumbi, e da Rua Padre Lebret ficaram interditados. O motorista precisou ter paciência, porque o trânsito ficou lento na região.

A PM informou que durante o protesto, foram registrados alguns princípios de tumulto. Manifestantes atiraram ovos na polícia, que usou gás lacrimogêneo para conter o protesto. Por volta das 17h55, um outro grupo de manifestantes tentou, ultrapassar uma barreira policial na Avenida Giovanni Gronchi, que dá acesso ao Palácio. A polícia impediu a passagem dos protestantes também com gás lacrimogêneo.

Após o confronto, três barreiras foram formadas pela Tropa de Choque para impedir a passagem do carro de som usado na manifestação dos professores.

A Apeoesp informou que já está marcada a data para realizar o novo encontro dos professores: dia 31 de março, na Avenida Paulista. Segundo a assessoria de imprensa de Paulo Renato, o secretário de pasta de Educação ainda avalia mais um dos pedidos dos docentes para audiência, protocolado nesta terça-feira (23).

Os professores já realizaram outras duas assembléias, de porte similar, que ocorreram na capital desde o início da greve, ambas no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, em nenhuma delas foi registrado confrontos e tumultos. Entre as reivindicações dos professores estão o reajuste salarial de 34,3%. Eles também se opõem à incorporação da gratificação em três parcelas anuais.

De acordo com o governo do estado, a folha de pagamentos da Secretaria de Educação cresceu 33% entre 2005 e 2009, passando de R$ 7,8 bilhões para R$ 10,4 bilhões. Já as gratificações, segundo a Secretaria, são feitas na medida das disponibilidades orçamentárias.

Os professores ainda poderão ter descontos no salário, isso porque a Secretaria divulgou, logo após o início da paralisação, em nota, que os grevistas terão desconto salarial relativo às faltas. Além disso, perderão participação no Bônus por Resultados, que paga anualmente até 2,9 salários para as equipes escolares que superarem suas metas e, também, no Programa de Valorização pelo Mérito, que permite aumentos salariais de 25%.

Em nota, divulgada neste sábado (27) a Apeoesp afirmou que os professores enfrentaram a truculência do governo José Serra, que posicionou a Tropa de Choque, a Cavalaria e a Força Tática no entorno da sede do governo para impedir o direito ao livre trânsito de professores. A tropa de choque usou bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha contra a categoria. “Vários professores ficaram feridos”, afirmou a nota.











tha

Gostaria de expressar a minha repulsa por esta greve. Já estou a duas semanas sem aula e sei o quanto isso irá me prejudicar (estou no 3º ano do ensino médio). Eu sei que não é facil para um professor aguentar uma sala com mais de 30 alunos muitas vezes rebeldes e desrespeitosos, porém, em um país onde muitas familias vivem com menos de um salário minimo e sabendo que a educação é a chave para o desenvolvimento do país (embora nossos governantes não invistam nisso decentemente) fico muito triste com a atitude de nossos mestres. Sou de origem humilde, e como todo jovem sonho com um mundo melhor, e sei que isso depende apenas das pessoas, por mais pobre ou rica que seja. Então quando vejo greves desse tipo, que afeta milhares de pessoas que não tem outra opção, fico muito chateada. É como greve de médicos, um absurdo, uma vez que parte da população só pode contar com o sistema de saúde pública. Nossos professores tambem são de certa forma médicos, e com a dura missão de curar uma das piores deficiências: A FALTA DE EDUCAÇÃO. Eu acredito que eles devem sim receber melhores salários, pois como ja disse compreendo que não é um trabalho fácil, mas penso nestas profissões voltadas a educação (e saúde também) como missões, e quando temos uma missão, por mais árdua que seja, deve ser cumprida... QUEREMOS ESTUDAR!!!! Eu peço aos professores que parem com a greve ou aos governantes (ou ao Serra) que entrem logo em um acordo com eles. Nossa geração está doente, (tem gente no ensino médio que mal sabe ler) não podemos esperar mais....

25/06/2017

Educação de SP abre concurso para preencher 1.878 vagas de diretor

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo abriu concurso público para o  preenchimento de...

24/06/2017

Grevistas da educação de Taboão decidem voltar ao trabalho dia 3 de julho

 Depois de ficar em greve por quase dois meses os servidores da rede pública municipal de...

22/06/2017

Greve de professores da rede municipal de ensino já ultrapassa 50 dias

Professores da rede municipal de ensino ainda não entraram em acordo com a prefeitura e...

18/06/2017

Jornalista Gregório Bacic ministra palestra a professores do Nigro Gava

Professores da Escola Estadual Professora Maria Aparecida Nigro Gava, no Parque Pinheiros, em...

12/06/2017

Escolas da rede municipal de Taboão, Embu e Itapecerica realizam festa junina

Olha a chuva... É mentira! Olha a cobra... É mentira! O mês de junho é conhecido pela...

11/06/2017

Taboão da Serra ganha unidade do Centro Brasileiro de cursos (Cebrac)

Moradores de Taboão da Serra que buscam ingressar e ou conseguir cargos melhores no mercado de...

11/06/2017

Sistema EJA está com inscrições abertas para o segundo semestre

Os jovens e adultos que não terminaram os estudos e querem retornar às salas de aula já podem se...

11/06/2017

Mais de 7 mil professores aprovados em concurso são convocados em SP

Mais de 7 mil professores aprovados no maior concurso do magistério paulista poderão escolher as...

08/06/2017

Febre Amarela e Dengue são pautas para alunos da EMEF Rachel de Queiroz

A direção da EMEF Rachel de Queiroz criou um Jornal Escolar que tem como foco central o...

03/06/2017

Escolas Estaduais de Embu das Artes recebem programa de educação ambiental

Em parceria com a Diretoria de Ensino da Região de Taboão da Serra, a ONG Sociedade Ecológica...

27/06/2017

Quentão do Taboão começa na sexta e promete agitar finais de semana

A esperada Arena Multiuso de Taboão da Serra vai ser aberta ao público nesta sexta-feira, 30,...

27/06/2017

Região do INSS e AME Taboão ganha ponto de ônibus, pintura de faixas e semáforo

As imediações do prédio do AME e do INSS em Taboão da Serra, na Estrada de São Francisco,...

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.