Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

Menor é detido após ataque homofóbico a cabeleireiro

Por Edimon Teixeira | 17/05/2012

dp_1

Arquivo Jornal na NetCaso foi registrado na Delegacia da cidade

Palavras de baixo calão, ameaças, insultos quanto à opção sexual, arremessos de pedras contra seu estabelecimento comercial, escarros e cuspe. Esta era a rotina do cabeleireiro R.J.B., 29 anos, até a tarde desta quarta feira, 16, quando resolveu dar um basta, e apelar para a intervenção da Justiça, para garantir um direito já previsto na Constituição Federal (CF).

Homossexual assumido, “e sem nenhum problema com isso”, é vítima constante de ataques contra si, e mesmo seus clientes, liderados de G.S.B., 17, e por meia dúzia de colegas da mesma faixa etária, no salão de cabeleireiro que mantém na avenida Fernando Fernandes, no Jardim Mituzi, em Taboão da Serra, há três anos.

O adolescente foi detido por volta das 14h30, após denuncia feita à central da Guarda Civil Municipal (GCM), pelos agentes Letícia e J. Oiveira, condutores da ocorrência. O controle do menor só foi possível graças à intervenção de outros dois guardas, os GCM’s Baracy e Teodoro que o imobilizaram depois de resistência e insultos.

“Eu só quero trabalhar em paz”, desabafa, por volta das 20h, no 1º DP do município, depois de perder um dia de trabalho e suportar várias investidas seguidas do menor infrator e sua turma, apenas nesta quarta. “Não dava mais. Estava no meu limite”, conta. Ele afirmou ainda que o menor fazia gesto de empunhar uma arma na mão em ameaça.

O adolescente negou a versão da vítima e disse que “era apenas uma brincadeira quando provocava R.J.B. batendo no vidro” e que o cabeleireiro se irritou, correndo atrás dele, quando fez os gestos de ameaça e ofensa. A versão dele, no entanto, é contestada pela irmã, a manicure L.V.B., 37, parceira dele no salão que diz serem constantes as ofensas.

“Tem outros salões na avenida. O problema é com o nosso”, conta. O cabeleireiro afirma, porém, que as ações crescem e outros locais têm sido alvos dos vândalos. “Sou a principal vítima, creio, mas de maneira geral está insuportável”, diz R.J.B., que não se intimida. “A vendedora de doces baixa as portas e vai chorar. Não farei o mesmo”, garante.

Compareceram à delegacia, agentes do conselho Tutelar do município, dispensados após chegada da mãe do menor infrator, a babá Aneleide Gonçalves Araújo, 37. O menor responderá por ato infracional consistente em injúria, crime contra a honra, que, em tese, aplica-se a pena de detenção, de um a seis meses, ou multa.

Apesar da coragem em levar a diante a denúncia, R.J.B. a irmã e seu companheiro, temem retaliação e apontam a redução da maioridade penal, alvo de discussões e polêmicas como uma das possíveis solução para ações desta natureza. “São adultos o suficiente para cometer crimes. Devem também ser para responder por seus atos”, justificou.

O incidente aconteceu na véspera do Dia Internacional de Combate à Homofobia, comemorado hoje, 17 de maio, reservado, também, no Calendário Oficial de Embu das Artes. Até a publicação desta matéria a reportagem não havia conseguido contato com Wanderley Bressan, presidente da ONG LGBT Diversitas de luta contra a homofobia no município.

Hoje também é lançada, a nível nacional, a campanha para angariar 1 milhão e 400 mil assinaturas para apresentar o Estatuto da Diversidade Sexual por iniciativa popular. Nesta data, todas as Comissões da Diversidade Sexual da OAB vão iniciar a coleta de assinaturas.  Em Taboão, a 211ª Subseção está localizada na Rua Lázaro Coelho dos Santos, 138.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.