Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

GCM diz que Taboão tem 8 mil bares ilegais

Por Sandra Pereira | 2/05/2012

conseeg

Sandra PereiraDenúncia foi feita na reunião do Conseg Monte Alegre, na última quinta, dia 26

Uma denúncia feita por um Guarda Civil Municipal (GCM) durante a reunião do Conselho Municipal de Segurança (Conseg) Monte Alegre na quinta-feira, 26, explica a razão pela qual o som alto em bares, lanchonetes e outros estabelecimentos está se tornando um problema crônico em Taboão da Serra. De acordo com o GCM os locais notificados ou fechados por descumprirem a norma municipal que proíbe barulho a partir das 23 horas acabam sendo reabertos por influência política, sem qualquer justificativa. Segundo o GCM Taboão da Serra tem aproximadamente 8 mil bares funcionando sem alvarás. Ele também não poupou críticas ao Conselho Tutelar, que alegou não funcionar devidamente.

Além de reabrir as portas normalmente ignorando as notificações e até mesmo as ordens de fechamento os estabelecimentos voltam a incomodar a vizinhança mantendo som alto na madrugada adentro. A denúncia aponta que os estabelecimentos sem alvarás são os que mais acumulam infrações.

“A GCM trabalha o final de semana inteiro notifica, multa e fecha os estabelecimentos infratores. Mas, como se fosse mágica no dia seguinte eles estão funcionando como se nada tivesse acontecido. Quando a gente vai ver o proprietário conseguiu reabrir porque conhece um vereador ou alguém da prefeitura. O processo aberto com a notificação ou a multa não anda”, desabafou publicamente um integrante da corporação. “A verdade é que ou se cumpre a lei ou haverá pais de família fazendo justiça com as próprias mãos”, alertou o GCM Pegoreli.

O alerta do GCM faz jus aos mais diversos casos relatados mensalmente nos dois Consegs de Taboão da Serra onde trabalhadores em geral contam os transtornos que enfrentam com o barulho madrugadas adentro. Nas últimas reuniões acompanhadas pela reportagem do Jornal na Net ficou evidente a preocupação crescente dos moradores com o barulho e o desrespeito cada vez mais a necessidade do descanso noturno.

“Os bares sem alvarás são os que dão mais problemas, inclusive com drogas. Deveriam ser punidos com rigor, seguindo o que diz a lei. As infrações e notificações feitas nas operações de finais de semana deveriam ser divulgadas e até mesmo publicadas no Diário Oficial”, afirma.

O vereador Cido (DEM) cobrou mais rigor da prefeitura e do prefeito Evilásio Farias (PSD) para resolver o problema do barulho nos bares e estabelecimentos habituados a essa prática.

Durante a reunião, Cida Borghi, presidente do Conseg MonteAlegre, relatou a troca de emails com um morador desesperado com o barulho próximo à sua casa. Além dos bares, os chamados pancadões são outro pesadelo para quem deseja uma noite de sono tranquilo. Ela disse que o homem chegou a ligar durante a madrugada pedindo ajuda das forças policiais e do Conseg.

A presidente iniciou a reunião afirmando se sentir como um beija-flor que luta sozinho contra um incêndio na floresta enquanto os outros animais tentam apenas se proteger. “Me sinto apagando um incêndio que é de todos. Convido os outros animais a descer da árvore e vir ajudar”, pediu.

Uma das dificuldades dos Consegs continua sendo a poucaparticipação da comunidade. Na reunião mensal do Monte Alegre apenas quatromoradores participaram.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.