Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cultura

Embu festeja os 42 anos da Feira de Artes

Por Prefeitura da Estância Turística de Embu das Artes | 2/02/2011

feira1

Rafael RezendeMuitas obras encantam quem visita à Feira de Embu

Um animado café da manhã  na sede do Centro de Atendimento ao Expositor (Caex), no Centro Histórico, em 30/1, marcou os 42 anos da Feira de Embu das Artes. Foi um momento de confraternização entre os cerca de 500 expositores e de lembrar o nascimento e desenvolvimento da Feira, que traz para a cidade todos os fins de semana milhares de turistas.

Veteranos como o artista plástico Wanderley Ciuffi, que, há 44 anos na cidade, expõe suas pinturas na tenda no centro da feira, enquanto se prepara para mais uma mostra internacional neste primeiro trimestre; Clóvis Camargo, que faz bolsas e acessórios de couro, e Francisco “Gringo” Sanches, flores secas e coloridas, com 40 anos de feira; a Dona Laura do acarajé, há 41 no Centro Histórico de Embu; o índio Kunué, da tribo Kalapalo, do Alto Xingu, que vive na cidade e mostra equipamentos e adornos típicos; Cristina Mas de Souza, que veio da Argentina para Embu nos anos 1970, ficou na cidade como muitos outros artistas da época e faz peças de madeira que divertem e educam, há 20 anos na Feira, são alguns veteranos.

Artistas como os escultores Rivelini e Mauro, a pintora Meire e Paulo Joia são outros veteranos da Feira de Embu. Outros expositores como Haivort, que produz há décadas e com habilidade miniesculturas de vidro, e Elias do Grilo, autor de peões que giram mais porque são mais leves, gafanhotos e abelhas de madeira e arame que pulam, sem machucar as crianças, são outros artesãos que colaboram para manter a tradição artesanal.

Gerações de artistas e artesãos têm passado pela Feira de Embu no Centro Histórico da cidade nessas quatro décadas. Os jovens Richard e Michel Jorge, que produzem pintura a dedo (técnica índígena para pintar o corpo) sobre azulejo, expõem no mesmo espaço com obras da mãe, Adelita (técnica de linha trançada com prego sobre veludo sintético), e que foi também do pai, falecido. De novas gerações de artistas e artesãos fazem parte Carlos Apolinário (Jean Brasil), autor de dragões incensários, vassouras e outros objetos macabros, que funcionam com jogo de luz e sombra e que sua clientela adora, e Maria Aparecida, a Cida do Crochê, que faz todo tipo de boina, chapéus, toucas para todas as cabeças

Além da arte e do artesanato
A tradição turística da Feira também é revelada pelas conversas entre expositores e compradores e entre os próprios visitantes. A turista Mariana Moura passeia com o namorado e reclama: “Eu venho toda hora aqui e gostaria de ver mais novidades de arte e de artesanato”. Enquanto isso, o alemão Wolfgang Lutz conta, para quem passa pela tenda de Richard e Michel, que o livro editado em alemão e português que escreveu, “Sabedorias Celestiais – Um livro para todos”, tem capa feita pelos artistas e ajuda a divulgar Embu na área internacional.

“Quando escrevi este livro, que mudou a minha vida, sonhei com a capa. Vim aqui, contei pra eles, que criaram a capa e me surpreenderam ao tornar realidade o meu sonho. Eles são ótimos pintores”, diz, enquanto compra mais um quadro para levar na sua próxima viagem a seu país. Ouvir histórias como essas, no domingo na Feira, faz o dia ficar diferente para quem aprecia fazer turismo.


Elke Lopes Muniz

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.