Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

TJ-SP julga inconstitucional "Cartão Cidadão" criado por Ney em Embu

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 10/03/2019

Prefeitura de Embu das ArtesO processo foi analisado por 23 desembargadores, que mantiveram a decisão do relator

Curta o Jornal Na Net no Facebook e acompanhe as principais notícias da região! 

O Tribunal de Justiça de São Paulo julgou ser inconstitucional o "Cartão Cidadão" criado pelo prefeito Ney Santos por considerar que o documeto dificultará o acesso aos serviços públicos essencias. O processo, movido pela Procuradoria Geral do Estado a pedido do deputado estadual Geraldo Cruz, foi analisado por 23 desembargadores, que mantiveram a decisão inicial do relator, o qual também participou do julgamento.

A decisão foi proferida depois que a gestão municipal elaborou uma nova lei, aprovada na Câmara pelos vereadores da base, para revogar a legislatura que criava o "Cartão Cidadão". A antiga lei era alvo de processo e com o seu cancelamento a ação judicial teria de ser arquivada. A manobra, porém, foi entendida pela Justiça como "fraude processual", já que a lei revoga a da criação do cartão, mas "repete em linhas gerais os termos da lei revogada". 

A Justiça ainda revelou que a nova legislatura, assim como a antiga, fere "os princípios da universalidade" de acesso aos serviços públicos garantidos à população, uma vez que seus artigos não deixam claro como serão prestados os atendimentos aos diversos setores - como saúde, educação, cultura, lazer, assistência social e turismo -, o que pode abrir precedentes para a recusa ao atendimento às pessoas que não portarem o cartão.

"Nessa medida, [...] o estabelecimento de um mecanismo de controle do uso dos serviços públicos, a lei municipal em tela, além de não garantir o acesso universal a todo e qualquer cidadão (independente de seu lugarde residência), acabou por estabelecer procedimento burocrático não exigido nem pela Constituição Estadual muito menos pela Carta Republicana, alçando-o, assim, ao patamar de (indevida) condição para a prestação de serviços públicos (alguns deles, essenciais)", argumentou o relator.

A reportagem procurou a prefeitura de Embu das Artes, que "não concordar com a referida decisão e estuda recorrer da determinação do Poder Judiciário, uma vez que tomou as medidas cabíveis para expurgar da lei o dispositivo que, quando interpretado, poderia acarretar o entendimento de que alguns serviços públicos poderiam ser dificultados para aqueles que não possuíam tal cartão". 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.