Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Oposição garantiu direito de emendas, mas rejeitou orçamento de 2019 de Taboão da Serra

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 2/01/2019

DivulgaçãoOs vereadores rejeitaram as emendas que haviam proposto e toda a peça orçamentária da cidade

Curta o Jornal Na Net no Facebook e acompanhe as principais notícias da região! 

Depois de 60 horas de sessão os vereadores de oposição reprovaram por sete votos a quatro o Orçamento de Taboão da Serra para 2019. A votação vinha se arrastando por 10 dias e só aconteceu na última noite de 2018, em 31 de dezembro. A sessão foi tumultuada e marcada por debates acalorados, troca de acusações e insultos. Os vereadores rejeitaram as emendas que haviam proposto e toda a peça orçamentária da cidade. A reprovação do orçamento é inédita em Taboão. Ninguém sabe ainda os rumos que o governo vai adotar. No final dos trabalhos os vereadores da oposição sinalizaram desejo de conversar com o prefeito.

A votação do Orçamento começou no dia 11. Desde então, a cidade presenciou disputas jurídicas homéricas, troca de acusações, farpas, e muita expectativa dos servidores públicos em relação ao sonhado aumento salarial. A base governista garante que o orçamento enviado pelo prefeito à câmara trazia previsão de R$ 30 milhões para o reajuste. A oposição negava o fato e aprovou emenda afirmando que garantiria o reajuste.

“Desde o dia 7 setembro o prefeito Fernando Fernandes havia dito que em 2019 os servidores teriam a reposição salarial garantida. Serão destinados mais de R$ 30 milhões para o reajuste, está na lei, não é necessária essa emenda. Quando presidi as audiências públicas do orçamento o reajuste salarial dos funcionários públicos foi a primeira coisa que constatei”, afirmou o vereador Dr. Ronaldo Onishi. “A emenda vai garantir esse aumento para o servidor, por isso estamos brigando tanto para que ela seja aprovada”, rebateu o vereador Eduardo Nóbrega.

Os vereadores do chamado Bloco Independente e Harmônico (BIH), composto por Eduardo Nóbrega, Marcos Paulo, Érica Franquini, Carlinhos do Leme, André Egydio e Alex Bodinho, até pouco tempo aliados do prefeito Fernando Fernandes, não pouparam críticas ao governo municipal, em todas as esferas. Acusaram o prefeito de judicializar a votação e fizeram oposição acirrada contra a peça orçamentária apresentada, retirando recursos de umas pastas para outras. O prefeito entrou na Justiça para impedir emendas intempestivas ao orçamento e ganhou. Os vereadores da oposição recorreram e ganharam, mas seguiram obstruindo a votação. Houve decisão judicial obrigando a votar o orçamento até dia 31, como aconteceu.

Durante horas a fio, a oposição defendeu emendas que apresentou. Os vereadores do BI e o professor Moreira chegaram a retirar recursos de algumas pastas e destinar para as propostas que defendiam. Também fizeram emenda reduzindo de 30% para 0% o percentual de remanejamento da peça orçamentária. Nos últimos 5 anos todos os vereadores votaram favoráveis a esse percentual de remanejamento, incluindo a antiga base, agora oposição.

Depois de brigar e muito pela emenda do remanejamento os vereadores da antiga base aliada do prefeito, decidiram retirar a emenda. Em seguida pediram para votar o orçamento e destacar partes da peça. A proposta da oposição foi rejeitada pela então presidente Joice Silva. Como resposta a oposição decidiu votar contra as emendas e todo o orçamento.

A rejeição do orçamento foi anunciada logo após a presidente Joice Silva dizer que no seu entendimento não caberia pedido de destaque feito pela oposição. O pedido de destaque foi feito para votar e retirar do projeto três artigos que dá poder ao prefeito Fernando Fernandes de remanejar até 30% do orçamento sem precisar da autorização da Câmara.

"Os senhores vereadores buscaram na Justiça e tiveram a resposta na Justiça e há pouco os senhores da oposição retiraram o que tanto queriam por uma clara manobra", citou Priscila Sampaio.

Após briga homérica nas sessões, votaram contra o orçamento municipal: Eduardo Nóbrega, Marcos Paulo, Érica Franquini, Carlinhos do Leme, André Egydio, Professor Moreira e Alex Bodinho. Já os vereadores Cido da Yafarma, Ronaldo Onishi,  Priscila Sampaio e Rita de Cássia foram favoráveis. O vereador Johnatan Noventa não participou da votação por motivos de saúde e a presidente Joice Silva só vota em caso de empate.

A reportagem do Jornal na Net não conseguiu apurar quais os caminhos que a prefeitura vai adotar por conta da rejeição do orçamento municipal para 2019.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.