Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Ney Santos fala sobre fim da taxa do lixo em Embu, analisa resultado eleitoral e diz que disputará reeleição

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 31/10/2018

ney

DivulgaçãoNey Santos dá entrevista exclusiva ao Jornal Na Net para falar de assuntos importantes a Embu e à região 

Após percorrer os quatro cantos da cidade na campanha da irmã Ely e do aliado Hugo Prado, o prefeito Ney Santos decidiu atender ao apelo popular e revogar a taxa do lixo em Embu das Artes. O anúncio foi feito pelo próprio Ney Santos em entrevista exclusiva ao Jornal Na Net na última segunda-feira, dia 29. O prefeito fez uma análise do resultado nas urnas, revelou que fará mudanças no seu governo, confirmou que disputará a reeleição em 2020 e disse acreditar que Geraldo Cruz é seu maior adversário político na cidade.

A taxa do lixo foi implementada em 2017, cobrada em 2018 e extinta a partir de 2019. De acordo com o prefeito, o valor arrecadado durante este ano foi de aproximadamente 7 milhões de reais que, segundo ele, foi destinado à empresa Enob, responsável pela coleta na cidade. "Quando implantamos a cobrança da taxa do lixo, nós abrimos uma conta específica. Todo o dinheiro arrecadado, vai para essa conta, que tem a finalidade de pagar a coleta", afirmou Ney Santos.

O prefeito disse que precisou implantar a polêmica cobrança porque não tinha outra solução para aliviar as contas da cidade. "Assumimos uma dívida de R$ 257 milhões, para ser mais exato. Dentro deste valor, quase R$ 50 milhões era de dívida com a Enob. Naquele momento a cobrança era necessária para apagar esse incêndio. Agora a situação melhorou", diz Ney em relação ao início do período em que tomou posse da Prefeitura.

O cancelamento da taxa para o ano que vem, ainda segundo o atual prefeito, só foi possível graças a um acordo feito com a empresa, por meio do qual todos os meses a prefeitura paga a medição atual, mais uma parcela da dívida. Um outro esclarecimento feito por ele é que não será devolvido os valores já pagos pelos munícipes e que quem ainda não efetuou o pagamento, terá que fazê-lo.

Durante a entrevista, Ney ainda fez uma avaliação do resultado das urnas. Para ele, seu bloco político, apesar de não ter eleito nem Ely Santos a federal nem Hugo Prado a estadual, foi o que mais cresceu na região em uma eleição que considerou atípica, já que muitos candidatos não conseguiram se reeleger.

"Eu brincava com a Ely que ela nunca tinha sido candidata nem a sindica do condomínio onde ela mora. Então, a pessoa sair do 0 e ter 50 mil votos, é uma votação expressiva", diz Santos. Ele também comparou a votação do seu aliado Hugo Prado com Geraldo Cruz, ex-prefeito de Embu, que este ano buscava mais uma reeleição na Alesp. "O Geraldo teve 20 poucos mil votos aqui no Embu, o Hugo teve quase 18 mil. Ai você faz uma comparação para entender. O Geraldo já foi prefeito e era deputado. Tem 30 anos de vida pública, o Hugo começou agora", comparou.

Ney prometeu que irá disputar reeleição em 2020, no entanto, desconsidera a candidatura da vereadora Rosângela Santos porque, como acredita, ela terá que disputar espaço dentro do próprio partido, o PT, com Geraldo Cruz e, por isso, sai em desvantagem. Para o atual prefeito, na próxima eleição se repetirá o mesmo cenário de 2016, quando a cidade viveu uma polarização entre sua candidatura e a de Geraldo, quem Ney acredita ser seu maior adversário político no município.

Uma outra revelação dada pelo prefeito e a reforma administrativa que ele pretende fazer com base na avaliação do desempenho de seus secretários. "Eu penso sim em fazer uma reforma administrativa [...] aquele secretário, aquele servidor que esteja fazendo um bom trabalho vai continuar, mas aquele que não estiver atendendo as expectativas da população, no momento oportuno nós vamos trocar. Não ficar com ninguém que esteja atrapalhando o serviço público", prometeu.

Sobre a série de desentendimentos entre ele e o prefeito de Taboão, Fernando Fernandes, nestas últimas eleições, Ney afirma que tudo começou por causa da candidatura de Hugo Prado. "Eu sei que o prefeito de lá arruma várias desculpas, mas o pivô da confusão foi a gente lançar o nosso deputado estadual", disse. Ele ainda agradeceu aos vereadores de Taboão do Bloco Independente e Harmônico, que o apoairam, e estendeu uma bandeira que aparentemnete é de cor branca. "Os prefeitos que tiverem juizo, devem deixar de lado a vaidade e se unir por toda região. Então, o que a gente puder fazer para poder ajudar, e logicamente ser ajudado, nos vamos fazer", completou.

Já sobre a eleição de Jair Bolsonaro à presidência da república, Ney diz pensar que "ou será 8 ou 80". Ele revelou que votou no capitão reformado no Exército por não querer mais o PT no poder e afirmou acreditar que todas as falas polêmicas do presidente eleito foram criadas por um personagem que fazia parte da estratégia à eleição. "Possa ser que esse radicalismo dele seja para ganhar a eleição e agora ele abaixe a guarda", falou Santos ao desejar que Bolsonaro faça um ótimo governo para que eu os municípios voltem a crescer. "O Brasil avançando, o nosso município também vai avançar e nós vamos trazer cada vez mais qualidade de vida para a nossa populção", finalizou.

 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.