Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Polícia

PCC quer mais mulheres no crime e avançar nos presídios femininos

Por Outro autor | 9/07/2018

pcc

Divulgação A facção decidiu que é necessário expandir os “negócios” para os presídios femininos.

O PCC (Primeiro Comando da Capital), maior facção do Brasil, chegou a marca de 30 mil membros, segundo levantamento do MP- SP (Ministério Público de São Paulo). Com uma estrutura hierárquica elaborada e estratégias ousadas para manter o controle do tráfico de drogas no País, a cúpula da facção decidiu que é necessário expandir os “negócios” para os presídios femininos.

A intenção foi uma das conclusões da investigação da Operação Echelon, na qual fragmentos de bilhetes trocados entre integrantes da facção foram encontrados nos esgotos da Penitenciária de Presidente Venceslau 2 – reduto da cúpula do PCC.

De acordo com o promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), Lincoln Gakya, atualmente, apenas 10% dos membros são mulheres. “Hoje, o PCC já conta com a presença de várias mulheres. São integrantes, batizadas como os outros membros.”

Porém, para facção essa participação ainda é pequena. “Há uma tendência a expandir o quadro feminino sim, isso ficou claro nos bilhetes encontrados pela investigação” explica o promotor. Segundo ele, as mulheres do PCC são tratadas com igualdade, mesmo que não ocupem as posições mais importantes na hierarquia ainda. “Uma vez batizadas, elas possuem os mesmos direitos e deveres que os homens.”

Iniciação no crime organizado

As primeiras mulheres a participarem do PCC entraram por meio de ligações afetivas com algum membro. Elas acabavam participando junto com os companheiros de crimes ou os substituindo quando eram presos ou tinham dívidas.

Porém, o promotor afirma que nessa expansão o foco da facção são mulheres que já tenham uma vida iniciada no crime. “ Não estamos falando de mulheres de presos, estamos falando de bandidas, de pessoas criminosas. Elas transportam armas, vendem drogas, matam pessoas. Precisam fazer tudo que os homens fazem”, explica Gakya.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.