Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Saúde

Estresse pode ser controlado a partir do bloqueio de hormônios

Por Assessoria de Comunicação | 15/03/2018

estresse

Divulgação Pesquisadores do Instituto Butantan descobriram dois mediadores capazes de inibir a secreção do hormônio liberado em situaç&o

Pesquisadores do Instituto Butantan descobriram dois mediadores capazes de inibir a secreção do hormônio liberado em situações de estresse físico e psicológico. Esse controle acontece de forma separada a partir do bloqueio, respectivamente, do adrenocorticotrófico (ACTH), também chamado de corticotrofina (CRH), e da vasopressina.

“O que fizemos foi tentar bloquear os receptores de vasopressina e de CRH para avaliar como ocorria a resposta na cobaia ao submetê-la ao estresse físico e psicológico. Sendo assim, conseguimos suprimir a resposta hormonal, a liberação de ACTH e consequente liberação de corticosterona em qualquer tipo de estresse”, explica Lanfranco Troncone, responsável pelo Laboratório de Farmacologia do Instituto.

Dessa forma, a pesquisa notou que ao bloquear os receptores dessas duas substâncias ela impedia a manifestação das duas formas de estresse. Essa descoberta é resultado da linha de pesquisa que investiga a relação entre o estresse e a depressão. Portanto, com o aprimoramento dessa técnica, os pesquisadores acreditam que o controle das estruturas cerebrais permitirá contribuir cada vez mais para o combate à doença.

“Outro ponto é conseguir melhorar os testes que são feitos para novos medicamentos contra a depressão. Com isso vamos torná-los mais confiáveis e haverá uma redução no custo do desenvolvimento de novos fármacos”, ressalta Adriana de Toledo Ramos, bióloga responsável pela pesquisa.

Hoje, os tratamentos à base de remédios contra a doença envolvem várias tentativas e adequações. Isso faz que a terapia seja muitas vezes demorada e repleta de falhas. O simples bloqueio desses receptores pode ainda não surtir efeitos antidepressivos, por isso, segundo os estudiosos, a ideia é continuar investigando a amplitude de cada um.

“É neste ponto que paramos e continuaremos com a investigação. Vamos mapear as áreas cerebrais que estão envolvidas no estresse físico e psicológico para ver se conseguimos manipular esses locais até chegar à resposta esperada”, finaliza Lanfranco.

O atual projeto, que está em andamento desde 2014, também é uma parceria com as universidades UNIFESP e USP. Ele foi elaborado com base em recursos concedidos pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

“É uma alegria saber que projetos que começaram bem pequenos estão se tornando de suma importância para descobertas da biologia e, sobretudo, para a saúde da população. Todos os pesquisadores tiveram apoio proeminente da FAPESP ao longo de suas carreiras. Isso foi fundamental para que nós continuássemos a investir no projeto”, comenta Marie-Anne Van Sluys, membro da Coordenação Adjunta – Ciências da Vida da instituição.

Segundo ela, a FAPESP, desde 1992, já auxiliou mais de 200 estudos que envolvem conhecimento de antidepressivos. Isso equivale a um montante de mais de R$ 22 milhões de investimento em projetos na área.

Vale lembrar que o Instituto Butantan é um órgão vinculado à Secretaria do Estado da Saúde e um dos maiores centros de pesquisa biomédicas do mundo. São projetos inovadores como este que levam o nome da instituição para o universo da ciência e colocam o Estado em um dos principais pilares de estudos no país.

“O Instituto Butantan tem uma herança de seus pioneiros da qual extrai animo e inspiração para desenvolver novos tratamentos. É a partir dessa inspiração que nos aventuramos em terrenos nunca antes trilhados”, completa Dimas Covas, diretor do Butantan.

 

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.