Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Vereadores de Embu defendem Taxa do Lixo e manifestantes esvaziam Câmara após sessão tensa

Por Sandra Pereira | 10/08/2017

Embu

Sandra Pereira Manifestantes prometeram novos atos contra a implantação da Taxa do Lixo 

Num embate nunca visto anteriormente na história recente de Embu das Artes o governo municipal levou a melhor e emplacou 1x0 contra a manifestação contrária à implantação da taxa do lixo, durante a sessão desta quarta-feira, 9, na Câmara Municipal. Livres nomeados e apoiadores do governo, amparados pela Guarda Civil Municipal lotaram o plenário da Câmara, que ganhou ares de final de campeonato com clima bélico. Os aliados do governo se posicionaram no lado direito do plenário levando faixas com os dizeres: Eu confio no Governo, Fila Zero, Programa Mais Asfalto, Nide e Cartão Cidadão Embuense. Já os contrários ocuparam a parte de trás do plenário e a frente da Câmara. Um dos pontos marcantes foi o uso de spray de pimenta no meio da manifestação.

O clima durante a maior parte da sessão foi tenso. Os vereadores foram xingados de lixo, covardes, vendidos e traidores, entre outros adjetivos nada elogiosos. Os parlamentares de Embu reagiram fazendo defesa ampla e pública da Taxa do Lixo e do governo de Ney Santos. Apenas a vereadora Rosângela Santos, (PT), se manteve contrária a cobrança e quase não conseguia ser ouvida, engolida pelas manifestações dos apoiadores do governo municipal.

Todo o alto escalão do prefeito Ney Santos marcou presença na Câmara e junto com os vereadores saíram numa defesa firme da taxa do lixo, fazendo enfrentamento direto contra os que se apresentaram contrários à cobrança. Em vários momentos da sessão houve embate. A GCM foi acusada por manifestantes de agir com truculência e de forma violenta. Os governistas disseram que a corporação apenas respondeu às provocações dos manifestantes, que eles acusam serem integrantes de partidos e não representantes do povo. A ação da GCM foi elogiada pelos partidários do governo.

Prontos pra guerra contra os manifestantes que se rebelam contra a Taxa do lixo, os vereadores cravaram em suas falas que apoiam a cobrança, pois sem ela a cidade pode entrar em colapso e ter que suspender serviços essenciais até mesmo na área da saúde.

“O princípio da democracia é o respeito. O que vemos hoje na cidade são oportunistas que só querem criticar e não tem a coragem de fazer. Eu e os outros vereadores somos contra a Taxa do Lixo, mas diante da situação de calamidade temos que agir para não ser um novo Rio de Janeiro. Por isso, parabenizo a coragem e a capacidade de gestão do nosso prefeito Ney Santos. Nosso governo não é populista. É um governo que tem compromisso com o futuro da cidade”, frisou o presidente Hugo Prado.

Hugo Prado avaliou que a sessão foi histórica e apesar do tumulto os vereadores puderam expressar suas opiniões e a sessão foi conduzida com tranquilidade. Ele citou os dois requerimentos apresentados pelos vereadores, o primeiro pedindo detalhamento do contrato da Enob, empresa que faz a coleta de lixo, e o segundo fazendo discussão sobre o valor da taxa. Pelas palavras do presidente poderá haverá mudança no valor da Taxa do Lixo a fim de evitar injustiças.

“O código tributário diz que a cobrança tem que ser igual para todos. Vamos tentar garantir que quem tem imóvel menor pague menos”, declarou.

Governo vai fazer enfrentamento de críticas à Taxa do Lixo

O secretário de Comunicação Jones Donizete acompanhou toda a sessão e centrou fogo contra a participação de políticos no ato. Ele afirmou que toda a cidade é contra a Taxa do Lixo, mas é crescente o número de pessoas, lideranças e partidos políticos que entendem as razões da implantação do novo imposto. Citou que na última semana a prefeitura chegou a ter apenas R$ 17 mil em caixa e disse que a Taxa do Lixo não pode ser discutida apenas levando em conta a coleta, mas todos os serviços essenciais realizados pela prefeitura, inclusive o atendimento de saúde. Jones Donizete chegou a afirmar que se houver mortes em decorrência de falta de atendimento provocada pelo agravamento da crise financeira todos os que estão incentivando o boicote a Taxa serão os responsáveis.

“O enfrentamento que houve dois lados mostra que não vamos baixar a guardar e aceitar que façam desse momento de dificuldade um palanque político. Político a gente conversa como político e povo como povo. O governo não vai aceitar que tentem se beneficiar dessa crise. A discussão da Taxa do Lixo é pra falar de todos os serviços da cidade, a saúde, a educação, a segurança. Tudo pode parar, como está acontecendo no Rio de Janeiro”, advertiu.

Jones Donizete preside o PRP que foi o primeiro partido da cidade a emitir nota oficial aprovando a implantação da Taxa do Lixo. Depois do PRP o Democratas também se posicionou em favor da cobrança com o mesmo argumento de que a crise financeira exige a medida impopular. Ele disse esperar que os outros partidos da base também façam o mesmo para conscientizar a população sobre a necessidade do imposto.

O secretário de Comunicação relatou que a prefeitura do município funcionava no “automático” sem dados cadastrais dos contribuintes e com a planta genérica usada para promover o cálculo do IPTU desatualizada. No caminho da modernização o governo de Ney Santos pretende corrigir essa falha criando um banco de dados preciso dos moradores e domicílios da cidade, atualizando as áreas construídas e fazendo a cobrança do IPTU com base nesses dados coletados.

“Se a prefeitura tivesse feito a atualização da planta genérica lá atrás como deveria pode ser que a gente não precisasse cobrar essa taxa do lixo. Você tem gente que tinha uma casa no terreno hoje tem cinco e contínua pagando o mesmo IPTU de uma casa só. Nós estamos corrigindo isso. O prefeito diz sempre que foi muito injustiçado e por isso não gosta de injustiça. Ele quer fazer justiça social. Quem tem mais vai pagar mais. Nós estamos organizando a cidade. Podemos sair daqui odiados, como as pessoas que fizeram essas coisas, mas nós vamos deixar um legado e dizer que a cidade organizada para o futuro. O nosso próximo passo é mudar os indicadores da cidade”, afirmou o secretário, acrescentando que as equipes da prefeitura já estão trabalhando para atualizar a planta genérica e fazer as correções devidas.

Jones Donizete avaliou que a vereadora Rosângela Santos está tentando tirar proveito do movimento.

“Não estamos brincando se amanhã tiver mortes na saúde as pessoas que estão incentivando esse movimento vão ser responsáveis”, finalizou.

 

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.