Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Transporte e Trânsito

1 em cada 4 motoristas admite beber e dirigir, diz pesquisa feita pela Arteris

Por Outro autor | 8/09/2016

regiss900

Divulgação - Arteris Pesquisa da Arteris revela comportamentos de risco dos motoristas. Cerca de 20% dos entrevistados tiveram mortes na família causadas por acidentes de trânsito

Em levantamento encomendado pela Arteris, uma das maiores companhias de concessões rodoviárias do país, motoristas de todo Brasil foram questionados sobre comportamentos de risco no trânsito. O resultado é alarmante: condutores admitem que dirigem alcoolizados, usam celulares e não respeitam os limites de velocidade. Os dados foram divulgados nesta primeira semana de setembro, no III Fórum de Segurança Arteris.

“O levantamento não se restringe às rodovias, mas abrange condutores de todo o Brasil, incluindo centros urbanos e zonas rurais”, explica Elvis Granzotti, gerente de operações da Arteris e coordenador do Grupo Estratégico de Redução de Acidentes (GERAR) mantido pela companhia. “Nosso objetivo foi levantar comportamentos que colocam vidas em risco e aprimorar políticas de segurança no trânsito. E os resultados mostram que ainda há um longo caminho a percorrer”.

Entre 15 e 26 de agosto, 1.030 pessoas foram entrevistadas pela Limite Consultoria e Pesquisas, empresa contratada pela Arteris para realizar o estudo. A mostra retrata a distribuição no território nacional de motoristas habilitados. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais, dentro de uma margem de confiança de 95%.

Trânsito perigoso

As tragédias provocadas por acidentes são uma realidade para uma parcela expressiva dos pesquisados: 1 em cada 5 pessoas tem histórico de mortes na família. A percepção de que o trânsito brasileiro é perigoso também foi compartilhada por 68,9% dos entrevistados.

Mas um dado chamou a atenção dos especialistas da Arteris. Proporção semelhante (60,5%) afirma que sempre respeita as leis de trânsito. “Essa análise mostra que o motorista parte do pressuposto de que o risco de acidente não está na conduta dele, mas sim no ambiente externo”, explica Granzotti.

Outros dados comprovam a necessidade de conscientização dos motoristas. Dentro do grupo que afirma seguir as regras, aproximadamente 30% admitem ter sido multados nos últimos 12 meses. “É um dado que reforça a necessidade de promover uma reflexão e disseminar o conceito de que respeitar as leis de trânsito é fundamental para a segurança, uma responsabilidade de todos”, destaca o executivo da Arteris.

Álcool e direção

A pesquisa mostra também que o comportamento de risco é ainda uma prática comum entre os brasileiros. Mesmo com uma legislação rigorosa, cerca de 26% dos entrevistados admitem dirigir após consumir bebida alcóolica. Na análise por gênero e faixa etária, verifica-se maior incidência entre homens (30,7% contra 18,3% de mulheres) e motoristas de até 45 anos (28,5%).

O excesso de velocidade também é outro destaque negativo. Quase metade (48,7%) dos entrevistados afirma que nem sempre respeitam os limites de velocidade, comportamento novamente em evidência entre jovens e homens. “Álcool e excesso de velocidade estão diretamente associados a acidentes fatais”, lembra Granzotti.

Celular e itens de segurança

O estudo também abordou o uso de celulares ao volante. Mais da metade (51,8%) dos condutores utilizam, ainda que raramente, os aparelhos enquanto dirige. A prática aumenta o risco de colisões. Estatísticas apontam que gastar 5 segundos para fazer uma ligação a 60 km/h é igual a percorrer 83 metros às cegas, tempo mais do que suficiente para ocorrer um acidente grave. Entre as mulheres, outra curiosidade: quase 20% admitem que se maquiam no trânsito.

Outro aspecto que envolve ao combate à violência no trânsito é a utilização de itens de segurança em veículos. O uso de cinto de segurança pelo motorista é uma prática constante de 9 entre 10 motoristas, mas a estatística muda quando envolvem os passageiros. Um terço (31,1%) não exige que os demais ocupantes utilizem o dispositivo. Entre os motociclistas, 1 em cada 10 entrevistados admitem que não usam sempre o capacete.

“Uma simples atitude pode evitar histórias trágicas, infelizmente ainda tão comuns no Brasil. A pesquisa somente reforça nosso entendimento de que a conscientização é o caminho mais eficaz para reduzir os índices de fatalidades”, conclui Elvis Granzotti.

Mês da Segurança Arteris

O III Fórum Arteris de Segurança marca o início das atividades do Mês da Segurança Arteris. Pelo terceiro ano consecutivo, a companhia promove série de ações de conscientização no mês de setembro, em sintonia com a Semana Nacional do Trânsito. Realizadas em cinco estados – Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo –, mais de 900 iniciativas alertarão motoristas, caminhoneiros, pedestres e ciclistas sobre comportamentos de risco no trânsito. 

07/01/2017

Sobe neste domingo valor da tarifa em linhas intermunicipais

04/01/2017

Secretário de segurança de Taboão assume a pasta de transporte

04/01/2017

Linhas intermunicipais da região podem ter restrição para circular em SP

03/01/2017

Operação Fim de ano na Régis registrou mais mortes em relação ao ano passado

30/12/2016

Rodízio de veículos suspenso volta a vigorar no dia 16 de janeiro

28/12/2016

Operação Rodovida incentiva educação no trânsito na região

22/12/2016

Começa nesta sexta-feira suspensão do rodízio municipal de veículos

20/12/2016

ANTT autoriza aumento e pedágio na Régis Bittencourt passará a custar R$ 3,00

29/11/2016

Manhã chuvosa travou o trânsito em Taboão no começo do dia

O trânsito ficou caótico na manhã de

25/11/2016

Novo retorno em Itapecerica é liberado pela Autopista

20/01/2017

Assaltantes invadiram prefeitura de Embu e trocaram tiros com PM e GCM

20/01/2017

Exército ajuda na luta contra o mosquito Aedes aegypti em Taboão

20/01/2017

Em Taboão, planejamento garante qualidade a cursos de capacitação

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.