Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Debate sobre machismo esquentou o clima entre vereadores durante sessão em Taboão da Serra

Por Sandra Pereira | 25/05/2016

sessao_1

Sandra PereiraMulheres fizeram apitaço e se queixaram contra discursos considerados machistas

Um caloroso debate sobre dois discursos considerados machistas contra a vereadora Luzia Aprígio (PSD) pautou a maior parte da sessão de Taboão da Serra desta terça-feira, 24. Dezenas de mulheres lotaram o plenário da Câmara e não esconderam de ninguém a insatisfação contra as falas, em sessões anteriores, dos vereadores André Egydio (PSDB) e Eduardo Lopes (PSDB). Com faixas, cartazes, apitos e demonstrando muita disposição para gritar a mulherada se posicionou de costas quando os dois vereadores usaram a tribuna.  

O clima de antagonismo amenizou para Egydio quando ele leu de tribuna carta aberta dizendo ter sido mal interpretado em suas palavras e afirmando não ser machista. Já em relação a Lopes a animosidade não foi desfeita, mas sim ampliada. Aos jornalistas Eduardo Lopes argumentou que sua fala foi distorcida e que as mulheres que foram à Câmara haviam sido levadas ao local pela vereadora Luzia Aprígio. 

A discussão sobre o machismo foi tão intensa que em dado momento "sobrou" para as vereadoras Érica Franquini (PSDB) e Joice Silva (PTB). As duas usaram a tribuna. Érica disse que sempre defende a participação da mulher na política e em dado momento acabou afirmando que fazia seu trabalho com coragem e seriedade, mesmo não sendo filha e nem esposa de político, numa referência clara às mulheres da Casa. 

Já a vereadora Joice afirmou que competência não escolhe sexualidade. Lembrou as leis aprovadas na Casa em benefício das mulheres e em resposta à Erica disse que era filha de política sim, com orgulho.

Já sem a presença da mulherada, os vereadores Lune e Moreira também cobraram das duas colegas mulheres defesa para Luzia Aprígio. Lune criticou a vereadora Érica Franquini e ela respondeu à provocação. Os dois travaram um embate que só não se inflamou mais ainda porque os vereadores fizeram uma pausa nos trabalhos. Antes da pausa houve um princípio de tumulto e algumas pessoas da galeria foram ouvidas gritando palavrões e xingamentos. A ação foi bastante criticada pelos presentes.

Pivô da polêmica Eduardo Lopes praticamente não conseguiu falar tendo a voz abafada pelos gritos e vaias da plateia. Ele foi chamado de “machista” e teve que ouvir repetidas vezes que o “lugar de mulher é onde ela quiser”. O vereador classificou claque, ou teatro, a mobilização das mulheres que estiveram na Câmara. 

A vereadora Luzia Aprígio disse que não sabia que as mulheres iriam até a sessão. Ela disparou que na hora de falar o que querem os vereadores não pensam e depois dizem  que não tiveram a intenção. "Não adianta ofender e depois pedir desculpas [...] nosso lugar é onde a gente quiser”. “Tem vereador que me fez uma pergunta, com quem que eu dormia esses anos todos que eu estou casada? O senhor me ofendeu vereador", disse fazendo menção a Lopes. Em seguida emendou: "o que o senhor falou pra mim dá decoro, dá cassação. Só não vai acontecer isso porque eu só tenho 3 votos”, completou.

Aos jornalistas Eduardo Lopes disse não ser machista em hipótese alguma. "A Mulher pode ser o que quiser ser. A minha fala referente a excelentíssima vereadora Luzia Aprígio foi muito clara e prática. Eu contextualizei, primeiro fazendo uma referência sobre a vida matrimonial. Em Mateus, Capítulo 7, Versículo 18. a Palavra do senhor Jesus Cristo  recomenda que o homem ao deixar os seus pais, vai se unir a sua mulher, e ambos se tornarão uma só carne. A Luzia e todos ouviram. Ai eu indaguei com quem ela dormia nos últimos 20 anos para que o marido não soubesse que está acontecendo uma CPI há mais de 30 dias. Como pode o Aprígio [não] ser notificado [após] oito vezes e alegar nas redes sociais que não sabia? É muita covardia a sessão de hoje. As pessoas que estavam aqui tinha um lado. Eles ovacionaram a fala da Luzia. Estava tudo combinado. Por isso eu repudio essa pecha que tentaram colocar em mim”, declarou Eduardo Lopes.

Passada a confusão a sessão discorreu com os tradicionais debates entre situação e oposição. 



Helena A Bochete

Helena A Bochete Taboão da Serra, Jd Maria Rosa INDIGNAÇÃO, diante das falas dos vereadores, André Egydio e Eduardo Lopes na sessão da Câmara dia 24/05/16, quais vem reforçar a situação vexatória, de assédio moral, discriminatório no gênero, além de que: Dizer o Edil Egydio, que não é machista, por “AMAR TODAS as MULHERES, e PAUTAR sua vida nas MULHERES que AMA”, é sem dúvidas uma justificativa “IRÔNICA, perjorativa” , pois estamos falando da MULHER num todo, como PESSOA HUMANA. Pior atitude teve o Vereador Eduardo Lopes, que, NÃO contente de ASSEDIAR MORALMENTE, Luzia Aprígio, como MULHER, como colega de TRABALHO, e faltar com o DECORO PARLAMENTAR, face a colega de TRIBUNA, representante de parte dos Munícipes, colocando-a em situação vexatória, notória e inconteste, vem estender suas ofensas, a HONRA das MULHERES em geral presentes na referida sessão, denominando de forma LEVIANA, que elas faziam parte de um PROTESTO de “CLAQUE”, ou seja, afirmou PUBLICAMENTE, na TRIBUNA da Casa de Leis, que: ___“As MULHERES, que ali se encontravam, eram “claque”, foram, CONTRATADAS (pagas), para VAIAREM”, quando nas falas dos dois Vereadores, autores das ofensas, consumado agora restou, o “CRIME contra a HONRA e DIGNIDADE das MULHERES no Plenário presentes” vítimas da acusação supra, pois, não SE VENDEM, são PESSOAS HUMANAS de IGUAIS DIREITOS, sem distinção, de raça, cor da pele, status social, idade, etnia, opção sexual, e gênero, direitos estes, garantidos, na Constituição Federal, vigente no País, conduta comprobatória que, NÃO colocam em prática, nossos representantes, os Direitos Constitucionais, em favor da pessoa humana, em especial os de rigor, em favor da mulher, em nossa Taboão da Serra. Cumprimentos humanista PAZ, FORÇA e ALEGRIA !

Helena A Bochete

INDIGNADA, não posso ficar calada, não percebem os políticos da situação que, estão tornando público, fortes indícios de atos e conduta de IMPROBIDADE que foram CO-AUTORES, SE verdade fosse o objeto de apuração desta CPI, senão vejamos:__ Onde estavam todos os vereadores, que NÃO FISCALIZARAM, e denunciaram em tempo real, permanecendo CALADOS por anos, e somente após, construídos quase 9.000 unidades de moradias, às vésperas de Eleição Municipal, vem como cordeiros, acusar que "deixaram" lesar os cofres público Municipal . ___ Calaram porque? MAL FADADA acusação SE ? OCORREU, Porque NÃO FISCALIZARAM o EXECUTIVO, que deliberou a construção? Indícios de que fizeram vistas grossas? Em troca do que ? VANTAGENS PESSOAIS, no dito DESDOBRO da área ? onde residem quase nove mil famílias___ Oras, a lisura da acusada era tão transparente, que até VEREADORES, SECRETÁRIOS MUNICIPAIS, PROCURADORES DO MUNICIPIO, e/ou seus FAMILIARES, se inscreveram, e são COOPERADOS, RESIDINDO dentro do Condomínio em seus respectivos Apartamentos, inclusive, o próprio SECRETÁRIO JURÍDICO MUNICIPAL, 1º à depor nesta CPI, DR. JOEL SANCTIS JÚNIOR, foi um dos Cooperados, e residiu por anos, no residencial da Cooperativa Vida Nova, ocupando o cargo de CONSELHEIRO da Cooperativa, hoje residindo na Chácara Iolanda, porque estaria fazendo provas contrárias comprovando as vistas grossas aos fatos se verdades fossem, tanto às pessoas dos Vereadores da época, quanto à sua pessoa, posto fazia parte do Jurídico no início da compra da área, seu desdobro e regularização junto à Prefeitura, teria feito vistas grossas? Aos fatos que agora alega serem “ilícitos”, se tanto era ato criminoso contra o erário público, porque somente às vésperas do Pleito Eleitoral, vem levantar dúvidas junto a população? Porque o Presidente da Cooperativa se colocou como Pré Candidato a Prefeito? Qual das duas condutas dos Vereadores e do Secretário do Jurídico, são verdadeiras, A UMA….a de APROVAÇÃO e/ou vistas grossas à fiscalização deixando correr se crime houvesse, so agora anunciado,ou A DUAS.…resolveram confessar a IMPROBIDADE que cometeram e serem co autores se ilícito deixaram passar contra seus representados, ou é mais uma manobra ilícita da política Regional, usando da máquina, administrativa e do Poder Judiciário, subestimando a inteligência de nossos Magistrados e do povo em geral, no exercícioo de litigantes de má-fé???........ao R. Jornal das famílias Taboanense e Região, seus Diretores, Funcionários e Leitores, meus cumprimentos HUMANISTA , PAZ, FORÇA, e ALEGRIA ! 25/05/2016

Helena A Bochete

INDIGNAÇÃO, diante das falas dos vereadores, André Egydio e Eduardo Lopes na sessão da Câmara dia 24/05/16, quais vem reforçar a situação vexatória, de assédio moral, discriminatório no gênero, além de que: Dizer o Edil Egydio, que não é machista, por “AMAR TODAS as MULHERES, e PAUTAR sua vida nas MULHERES que AMA”, é sem dúvidas uma justificativa “IRÔNICA, perjorativa” , pois estamos falando da MULHER num todo, como PESSOA HUMANA. Pior atitude teve o Vereador Eduardo Lopes, que, NÃO contente de ASSEDIAR MORALMENTE, Luzia Aprígio, como MULHER, como colega de TRABALHO, e faltar com o DECORO PARLAMENTAR, face a colega de TRIBUNA, representante de parte dos Munícipes, colocando-a em situação vexatória, notória e inconteste, vem estender suas ofensas, a HONRA das MULHERES em geral presentes na referida sessão, denominando de forma LEVIANA, que elas faziam parte de um PROTESTO de “CLAQUE”, ou seja, afirmou PUBLICAMENTE, na TRIBUNA da Casa de Leis, que: ___“As MULHERES, que ali se encontravam, eram “claque”, foram, CONTRATADAS (pagas), para VAIAREM”, quando nas falas dos dois Vereadores, autores das ofensas, consumado agora restou, o “CRIME contra a HONRA e DIGNIDADE das MULHERES no Plenário presentes” vítimas da acusação supra, pois, não SE VENDEM, são PESSOAS HUMANAS de IGUAIS DIREITOS, sem distinção, de raça, cor da pele, status social, idade, etnia, opção sexual, e gênero, direitos estes, garantidos, na Constituição Federal, vigente no País, conduta comprobatória que, NÃO colocam em prática, nossos representantes, os Direitos Constitucionais, em favor da pessoa humana, em especial os de rigor, em favor da mulher, em nossa Taboão da Serra. Cumprimentos humanista PAZ, FORÇA e ALEGRIA !

27/04/2017

Justiça concede liminar para tentar barrar greve geral em ônibus e metrô

Numa tentativa clara de barrar a greve geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista,...

27/04/2017

Câmara aprova proposta de reforma trabalhista; texto segue para o Senado

Após quase 14 horas de sessão, a Câmara dos Deputados concluiu, na madrugada desta quinta-feira...

26/04/2017

Vereadora Priscila Sampaio fará pedágio contra o jogo Baleia Azul em Taboão

Preocupada com a disseminação do trágico jogo virtual baleia azul, que já levou vários...

26/04/2017

Vereadores de Taboão aprovam regulamentação do uso da sede da Câmara Municipal

Os vereadores de Taboão da Serra aprovaram por unanimidade na sessão desta terça-feira, 25,...

26/04/2017

Senado aprova em 1º turno fim do foro privilegiado de políticos e autoridades

Senado aprovou nesta quarta-feira (26), em primeiro turno, a proposta de emenda à Constituição...

26/04/2017

Temer decide cortar ponto de servidores que entrarem em greve

O presidente Michel Temer decidiu que cortará o salário dos servidores que participarem da greve...

25/04/2017

Bom Prato de Taboão começa a funcionar nesta quarta (26) com almoço a R$ 1,00

O prefeito de Taboão da Serra, Fernandes Fernandes Filho, anunciou no começo da noite desta...

22/04/2017

Taboãoprev presta contas de 2016 em audiência da Comissão de Finanças da Câmara

A Autarquia Previdenciária do Município de Taboão da Serra (Taboãoprev) realizou prestação de...

28/04/2017

Manifestantes fecham Régis param a região por causa da greve geral

A greve geral deflagrada em protesto contra as reformas da previdência e trabalhista...

28/04/2017

Ônibus intermunicipais param em adesão a greve geral contra as reformas de Temer

Os moradores de Taboão da Serra, Embu das Artes e Itapecerica da Serra que utilizam o transporte...

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.