Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Comércio da Kizaemon Takeuti sofre com agravamento da crise financeira

Por Sandra Pereira | 7/04/2016

kizaemon

Google Comércio da Kizaemon Takeuti enfrenta a pior crise dos últimos anos. Comerciantes já falam em fechar portas e funcionários  temem o

É de causar pena a situação que enfrentam os pequenos comerciantes dos mais diversos bairros de Taboão da Serra em decorrência do agravamento da crise financeira que assola o país. Lutando como guerreiros a maioria tenta manter em dia o pagamento dos alugueis onde trabalham. A tarefa que antes era cumprida sem problemas tem ficado cada dia mais difícil e vários comerciantes já admitem que o pior pode acontecer. A região da Kizaemon Takeuti, um dos comércios mais movimentados de Taboão da Serra, enfrenta a pior crise dos últimos anos. Comerciantes já falam em fechar portas e funcionários  temem o desemprego. 

“Está tudo parado. Todos os setores do comércio estão sentindo. A crise já chegou até na alimentação. Tem dias que a gente não vende nem R$ 100”, desabafou a dona de uma loja de miudezas na Kizaemon Takeuti, em Taboão da Serra. 

Ela conta que está no ponto há 6 anos e nunca teve dificuldade de pagar o aluguel, mas está ficando cada vez mais difícil conseguir. 

“Pago R$ 1.200,00 de aluguel e ainda tem as contas de água e luz. Está ficando muito pesado. Ano passado já não foi bom mas 2016 está muito pior”, reclamou. 

A situação é a mesma numa loja de bijuterias da mesma avenida. A rotina que se repete por lá é assim: as clientes olham tudo e não compram quase nada. A dona da loja já baixou os preços das mercadorias mais de uma vez mesmo assim vender está cada ficando mais difícil a cada dia.

“Não sei mais quanto tempo dá pra aguentar assim. Essa crise só piora e a gente não vê alternativa. Essa bagunça na política tem que acabar pra vida da gente voltar ao normal”, sugere. 

Em duas lojas de roupa também na Kizaemon o clima entre a equipe de vendas é de desolação. A falta de movimento e a dificuldade de vender eram realidades desconhecidas até pouco tempo. 

“Nunca vi a loja assim. Tem dia que a pessoa não vende nada. A gente já está é com medo da loja fechar e todo mundo ficar desempregado”, afirmou temerosa uma mulher que tem dois filhos e o marido está desempregado. “Só Deus pra dar forças numa situação assim”, completou.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.