Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Educação

Manifestação contra o fechamento de escolas interdita BR116 em Taboão

Por Amanda Marques | 10/10/2015

IMG_20151009_104214567

Amanda Marques Estudantes e professores tomaram duas pistas da via e levantaram cartazes contra a reorganização da educação

A manifestação contra o fechamento das escolas estaduais de Taboão da Serra foi audaciosa e conseguiu grande atenção da comunidade na última sexta-feira (09). Alunos e professores da escola Catharina Comino iniciaram os trabalhos partindo do Parque Pinheiros até chegarem à BR116, que foi interditada para a passeata dos estudantes. Outras escolas como o EE Nigro Gava participaram do movimento e integraram o grito de guerra que pedia o não fechamento das escolas.

Em entrevista ao Jornal na Net, o professor e organizador do evento, Wiliam Felipe disse que as famílias devem ter o direito de escolher onde seus filhos vão estudar. A reorganização, do ponto de vista de Wiliam, deveria ser pautada pela abertura de escolas, não pelo fechamento delas.

 “Na verdade se trata de uma medida que Alckmin seguindo a mesma coisa que o Governo Federal está fazendo, ou seja, uma crise que nós não criamos e que agora nós temos que sofrer as consequências dela. Querem reduzir os investimentos em saúde, educação, em moradia popular, ou seja, naquilo que esta faltando. Então apesar de todo o discurso de que vai melhorar, na prática, essa reorganização vai piorar ainda mais as condições de trabalho, as condições de ensino, com um único objetivo: reduzir no caixa do governo o investimento em educação, para ser aplicado em áreas como o pagamento da dívida e na corrupção”, comentou o professor. 

Miguel Leme é coordenador da Apeoesp (Sindicato dos Professores) e afirmou durante a passeata que a decisão de implantar o fechamento de escolas foi feita sem consultar a comunidade, os alunos e os professores. Miguel comentou que após a manifestação da última terça-feira (06), a escola Sara Sanches e a Tadakiyo Sakai não vão sofrer com a reorganização em um possível recuo do governo e ressaltou: “Vai depender da pressão popular, isso que nós estamos fazendo agora, com a participação de alunos, funcionários, pais e professores”. 

Segundo Miguel, aproximadamente 400 estudantes do ensino médio no Catharina terão de ser remanejados à escola Adenilson dos Santos Franco, na qual, ainda de acordo com ele, foram mal recebidos pelo diretor. Ele também mencionou sobre as questões de mudança de identidade dos alunos, possíveis conflitos que ocasionarão violência, superlotação de salas, abandono de turmas noturnas em função da distância, etc. 

“Vai ser um barril de pólvora, um quadro de destruição mesmo, uma quebra do trabalho pedagógico”, levantou Miguel. 

O professor de Língua Portuguesa Daniel Tomaz, trabalha na escola Catharina Comino e disse que o remanejamento dos alunos é tratado de forma opressiva. Daniel mencionou o livre arbítrio que os alunos não têm, ao escolher as escolas para onde vão. 

“Eu acho que os alunos estão dando aula até para professores... Eu acho que eles estão ensinando a nós professores com unir uma classe”, declarou Cesár Dias, professor de história na escola Catharina. Ele pontuou que foi a primeira vez que o grupo se reuniu verdadeiramente, enfatizando que o fato da interdição da BR. 

Com um tom de indignação, Samara Matos cursa o terceiro ano do ensino médio no Catharina que tem entre outros pontos positivos, a estrutura e o ensino de qualidade. A estudante comentou que desejava prestar uma faculdade e atuar lecionando na escola. “Eles estão investindo em pegar alunos e transferir para outra escola e isso não vai trazer benefícios para ninguém. Eu quero sair do terceiro colegial, entrar em uma faculdade e ter orgulho de falar que eu lutei pela minha escola”, desabafou a estudante. 

Alunas da escola Nigro Gava, Naira Ketelin e Clara Marques já pensam sobre como será difícil assistir aulas em salas superlotadas: “Imagina como as salas vão ficar superlotadas? Os professores não vão conseguir dar aula!”. Os jovens estão realmente envolvidos com a causa e temem que o governo feche as escolas de fato. Naira e Clara disseram que os professores terão de escolher onde vão dar aulas e que na disputa entre as escolas municipais e estaduais, talvez elas fiquem sem professor. 

Segundo as estudantes, há anos a escola está sem quadra, o que dificulta o trabalho da matéria de educação física. Naira disse que se o remanejamento para a EE Lúcia acontecer, por conta das diferenças de identidade, haverá brigas e assinaturas de advertências diárias.

Vários alunos e docentes mencionaram que o governo não informou sobre a reestruturação do ensino, o que na medida em que a manifestação ganhava mais alcance, a revolta na mesma proporção se tornava latente. 

Flávio Balduíno leciona geografia na EE Nigro Gava. Ele reiterou a fala dos demais professores que tem por objetivo enfatizar para que as manifestações colaborem em uma possível recuada no fechamento das escolas. Flávio contou que pertence à categoria não efetiva e que está preocupado com a instabilidade de emprego no ano letivo de 2016.

“Para chamar atenção mesmo ao que está acontecendo no Estado de São Paulo, porque infelizmente o nosso governador Alckmin quer sair candidato à presidente, não vamos deixar ele estragar o Brasil”, encerrou o professor. 

O encontro com a diretoria de ensino 

Durante a reunião com a dirigente de ensino Maria das Mercês, o clima foi tenso e exigia explicações. Pais e estudantes colocaram suas ideias e propostas. Por diversas vezes enfatizaram as mudanças extremas que podem se aplicar à vida de cada um. Mas Maria foi sucinta e informou que a reorganização proposta pelo governo é positiva. 

A dirigente defendeu a decisão e acredita que a divisão dos ensinos fundamental e médio é necessária para um melhor resultado. “É claro que os interesses desses que já estão no ensino médio são diferentes. Quando agente mistura os segmentos, nós não damos a chance da criança na sua idade certa, conversar com crianças da mesma idade”, explicou Maria. 

Ela reiterou sustentando seu argumento de que o jovem não tem interesse em compartilhar os mesmos espaços das crianças, por conta de estarem vivendo outro momento.

A ideia foi questionada e rebatida por uma aluna do terceiro ano do ensino médio, que discutiu o posicionamento da dirigente e disse que sim. Eles gostam de se apresentar como exemplo aos alunos menores e querem fazer isso. 

Maria ressaltou que não deseja prejudicar nenhum dos alunos da cidade e que a iniciativa foi enviada ‘de cima’.

HELENA A BOCHETE

É isso aí, SÓ no Brasil, Governo aqui, PAGA MAL os PROFESSORES, e agora EXTRAPOLA OS LIMITES da DECADÊNCIA na EDUCAÇÃO, excluindo ESCOLAS para investir em construção de PRESÍDIOS e FUNDAÇÃO CASAS para Adolescentes Infratores, agora acabar com a EEPS Prof. Alípio de Oliveira e Silva é ato que comprova ser TABOÃO DA SERRA uma Cidade sem VOZ representativa dos Munícipes, sou uma das mães fundadoras da APM, juntamente com D. Iolanda, D.Cida D. Mida, e outras, Profs. Elias, Jorge Said, Eneliz, Profª Mercês, alunos à, INAUGURAR a mesma, mães à confeccionar cortinas, Plantar àvores, inclusive o JOGADOR VLADEMIR Corinthians "Bisqui", plantou uma delas em Ginkana, trouxemos o teatro para a Escola e desta ao Teatro CEMUR, com a peça em meados da década de 80/90, " PLUFT O FANTASMINHA" interpretado por Douglas e Edison Bochete, Mônica Santos, Inspetor de alunos Wagner, Profa. Edna, e outros considerada à época "ESCOLA PADRÃO", agora deixar negligênciar o Poder Público, quando gritante a deficiência na Região de Escolas de ensino fundamental e médio, é DECRETAR a FALÊNCIA de oportunidades com igualdade de ENSINO na Região Jd Rosa Maria, Ouro Preto, Jd Guainã, Pq Assunção, Monte Alegre, Jd Virgínia, Jd Kuabara, Jd. Pazzine e adjacências onde está localizado o "COLÉGIO PROF.ALÍPIO" como é conhecido, PATRIMÔNIO histórico, que deve ser TOMBADO e NÃO DERRUBADO, meu GRITO de REPÚDIO a esta triste perda no ensino já precário, em nossa Taboão da Serra !

22/06/2017

Greve de professores da rede municipal de ensino já ultrapassa 50 dias

Professores da rede municipal de ensino ainda não entraram em acordo com a prefeitura e...

18/06/2017

Jornalista Gregório Bacic ministra palestra a professores do Nigro Gava

Professores da Escola Estadual Professora Maria Aparecida Nigro Gava, no Parque Pinheiros, em...

12/06/2017

Escolas da rede municipal de Taboão, Embu e Itapecerica realizam festa junina

Olha a chuva... É mentira! Olha a cobra... É mentira! O mês de junho é conhecido pela...

11/06/2017

Taboão da Serra ganha unidade do Centro Brasileiro de cursos (Cebrac)

Moradores de Taboão da Serra que buscam ingressar e ou conseguir cargos melhores no mercado de...

11/06/2017

Sistema EJA está com inscrições abertas para o segundo semestre

Os jovens e adultos que não terminaram os estudos e querem retornar às salas de aula já podem se...

11/06/2017

Mais de 7 mil professores aprovados em concurso são convocados em SP

Mais de 7 mil professores aprovados no maior concurso do magistério paulista poderão escolher as...

08/06/2017

Febre Amarela e Dengue são pautas para alunos da EMEF Rachel de Queiroz

A direção da EMEF Rachel de Queiroz criou um Jornal Escolar que tem como foco central o...

03/06/2017

Escolas Estaduais de Embu das Artes recebem programa de educação ambiental

Em parceria com a Diretoria de Ensino da Região de Taboão da Serra, a ONG Sociedade Ecológica...

30/05/2017

Anhanguera disponibiliza vagas de emprego e qualificação em Taboão

No dia 8 de junho, das 10h às 19h, as unidades da Anhanguera de Taboão da Serra e outras...

30/05/2017

Faculdade FECAF apoia o esporte profissional em Taboão

Como visto no Globo Esporte (Rede Globo), da última quinta-feira (25), a Faculdade FECAF apoia o...

23/06/2017

Vereadores de Itapecerica pedem criação de 3º Companhia da PM

A segurança pública vem sendo tema frequente durante as sessões na Câmara Municipal de...

23/06/2017

Inverno chegou, vai fazer frio, mas temperaturas estarão na média

E o frio chegou, o inverno começou as 01h24 desta quarta-feira (21), para quem gosta de frio já...

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.