Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Lelo afirma querer paz entre FF e Aprígio e ensina que na guerra só ganha o vendedor de armas

Por Sandra Pereira | 25/08/2015

lelo

Sandra PereiraLelo pediu que os políticos da cidade se empenhem no debate de temas de interesse da população e deixe o município crescer para superar a crise

Atualmente considerada impossível, a paz entre o prefeito Fernando Fernandes e o presidente da Cooperativa Habitacional Vida Nova Nova, José Aprígio, pode ser selada em breve. Ao menos esse foi o desejo externado pelo empresário Joel Garcia de Oliveira, o Lelo, durante a aula inaugural da faculdade FECAF, nesta segunda-feira, 24, em Taboão da Serra. Elo entre os dois adversários, já que é dono de 3% da rua alvo de litígio entre a prefeitura e Aprígio, e, amigo pessoal declarado do prefeito há mais de 20 anos, Lelo afirmou que vai atuar entre ambos para que a “guerra” em andamento seja encerrada. Enfático, ele observou que só os vendedores de armas ganham com as guerras e chegou a alertar que os vereadores da cidade deveriam se ater à pratica da política propositiva, ao debate de temas de interesse da população e a criação de leis capazes de melhorar a vida das pessoas. O prefeito disse que a paz deve ser bilateral e afirmou que a ameaça de CPI é decisão do Legislativo e não tem haver com o Executivo.

“É minha obrigação como cidadão e como pessoa sempre tentar trazer a paz. Costumo dizer que na guerra só uma pessoa ganha: o vendedor de armas. Os outros todos perdem. Sou a favor de uma política que discuta ideias, projetos, não que não discuta picuinha ou coisa pessoal. Sou contra isso. Não agrega valor. Para algumas pessoas quanto mais lenha na fogueira, é melhor. Existe muitos vendedores de armas nesse caso. Para muitos a disputa fora do campo das idéias é bom”, disse, acrescentando querer a paz entre ambos. “Torço para que os dois discutam o futuro da cidade. Acho que a Câmara vai se portar de forma madura. O Fernando já me disse várias vezes que acha legítima a candidatura de Aprígio e concorre com ele sem problemas. Isso é democracia. Fernando não tem nada contra o Aprígio ser prefeito”, complementou.

Aos vendedores de armas, e aos vereadores, Joel Garcia mandou o seguinte o recado: “Ah por favor, nos deixe em paz, deixe a cidade ser feliz. Merecemos coisas melhores. Gente voltada aos verdadeiros problemas da cidade. Temos problemas mais sérios a serem discutidos. A Câmara tem que se preocupar primeiro com a crise econômica, em abrir novos postos de trabalho, ao invés de ficar guerreando e fechar postos de trabalho. A preocupação deveria ser essa: abrir mais empregos já que esse será um problema que vamos enfrentar nos próximos três anos. Isso é importante, isso tem que ser pauta na Câmara. Temos a questão educacional os alunos chegam ao ensino médio semi-analfabetos. São tantas questões sérias e necessárias talvez esse seja o caso dos vereadores abordarem semanalmente esses temas”, afirmou em tom didático.

Comprovando ser mais político que muitos políticos negou boatos de que o prefeito também seria dono da FECAF e fez elogios abertos ao empreendedorismo de Aprígio, segundo ele evidenciado nos condomínios erguidos pela cooperativa que ele preside. Sem reservas Lelo falou sobre o tema com a imprensa. Disse que a ameaça de CPI contra Aprígio faz parte de um jogo político travado por “vendedores de armas” a quem preferiu não denominar. Questionado se seria uma espécie de soldado da paz o empresário não titubeou em afirmar que sim.

“A abertura dessa rua ajudou muito a população. Muita gente da cidade trafega por ela. Quando a rua era particular isso não acontecia. A prefeitura foi beneficiada com a abertura da rua. Nós arcamos com a construção inteira. A rua só favorecia a cooperativa e a nós. Agora favorece a todos. Foi mais um ato de cidadania do que qualquer coisa”, explicou, afirmando esperar que a Justiça não determine o fechamento da rua pois se acontecer “a população ficará chateada”.

De acordo com Lelo a ação foi fruto de um momento político diferenciado que já não existe mais. A respeito da ação que a prefeitura entrou na justiça, pedindo ressarcimento financeiro, Lelo classificou os valores de absurdos. “Esses valores de R$ 200 milhões são absurdos. Porque R$ 199 [milhões] é dano moral. E eu nunca vi dar um dano moral acima de 20, 30 mil reais. Eu também não sei que dano moral a prefeitura sofreu. Eu acho que isso tem um cunho político, essa ação foi impetrada num momento de campanha. Campanha essa que já passou. Agora o momento político é outro”.

Para Lelo Aprígio e o prefeito Fernando Fernandes atualmente estão em outras fases e são pessoas civilizadas. “Os dois são civilizados. Não estão mais em guerra. Antes tinha uma dose política muito grande. Falam que o prefeito é dono da escola. E que sócio daria um tiro no próprio pé? Então ele move uma ação em que a escola é réu? Que sócio é esse?”, questionou.

O outro lado

Em entrevista à imprensa após as declarações do amigo Lelo o prefeito Fernando Fernandes disse que a discussão sobre abertura de CPI é pauta do Legislativo e não sofre interferência de sua parte. Afirmou que a paz é um processo bilateral, mas não disse ser possível ou não. O prefeito disse conhecer “vendedores de armas de longa data em Taboão, que se alimentam do conflito. Que num momento estão num lado e no outro instante mudam”. 

Assim como Joel o prefeito não quis nominar os vendedores de armas. “Existem aqueles que vivem na política do conflito. Exercem seu papel. Aquilo que acreditam e esperam da política. Eu não faço política dessa maneira, mas tem gente que faz. Eu não vendo armas, vendo empreendedorismo”, avisou. 

Falando sobre a  CPI Fernando Fernandes disse que é uma decisão do Legislativo e não do Executivo. “O motivo da CPI, que é a questão da área institucional, isso já está na justiça. Da parte do Executivo não prevariquei. Entrei na Justiça. Agora a decisão da CPI é do Legislativo. É claro que existe um clima político pra CPI. Não é com ataque ou fazendo processo contra vereadores que vai se conseguir a paz. Como prefeito pra mim é uma questão de Justiça por conta da área institucional”, 

29/04/2017

Régis registrou bloqueios, marchas e atos na greve geral em toda a região

A greve geral contra as reformas da previdência e trabalhista foi marcada em Taboão da Serra,...

29/04/2017

Aprígio recebe visita de Carlos Lupi, ex-ministro do Trabalho

Acompanhado de lideranças da Executiva Nacional e Estadual do PDT, Carlos Lupi, presidente...

27/04/2017

Justiça concede liminar para tentar barrar greve geral em ônibus e metrô

Numa tentativa clara de barrar a greve geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista,...

27/04/2017

Câmara aprova proposta de reforma trabalhista; texto segue para o Senado

Após quase 14 horas de sessão, a Câmara dos Deputados concluiu, na madrugada desta quinta-feira...

26/04/2017

Vereadora Priscila Sampaio fará pedágio contra o jogo Baleia Azul em Taboão

Preocupada com a disseminação do trágico jogo virtual baleia azul, que já levou vários...

26/04/2017

Vereadores de Taboão aprovam regulamentação do uso da sede da Câmara Municipal

Os vereadores de Taboão da Serra aprovaram por unanimidade na sessão desta terça-feira, 25,...

26/04/2017

Senado aprova em 1º turno fim do foro privilegiado de políticos e autoridades

Senado aprovou nesta quarta-feira (26), em primeiro turno, a proposta de emenda à Constituição...

26/04/2017

Temer decide cortar ponto de servidores que entrarem em greve

O presidente Michel Temer decidiu que cortará o salário dos servidores que participarem da greve...

29/04/2017

Régis registrou bloqueios, marchas e atos na greve geral em toda a região

A greve geral contra as reformas da previdência e trabalhista foi marcada em Taboão da Serra,...

29/04/2017

Prefeitura de Taboão forma mais de 200 alunos através do Programa Lado a Lado Sa

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda da Prefeitura de Taboão da Serra,...

29/04/2017

Maternidade de Taboão inaugura serviço de consultoria em amamentação

A Prefeitura de Taboão da Serra está cada vez mais avançando na implantação de políticas...

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.