Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Política

Manifestação do MTST e críticas ao ato do LGBT marcam sessão de Embu das Artes

Por Direto da Redação do Jornal na Net | 11/06/2015

lotado

Genildo RochaPlenário da Câmara de Embu das Artes ficou lotado com os integrantes do MTST

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto lotaram a Câmara de Embu das Artes com o objetivo de buscar apoio dos vereadores para  construção de moradias populares na área do Jardim Batista, ocupada no dia 16 de maio com cerca de três mil famílias. Foi aprovada de última hora, uma moção de apoio ao movimento e os vereadores receberam a comissão em reunião realizada após a sessão. Além do plenário cheio, a rua Marcelino Teixeira Pinto, foi fechada pelos integrantes do MTST. Outro assunto que marcou a noite desta segunda-feira, dia 10 foram as criticas ao ato realizado pelo grupo LGBT, na Parada Gay, no último domingo, dia 07, os vereadores usaram da palavra e frisaram "que é preciso se dar ao respeito, para ter respeito".  

De acordo com informações, o terreno reivindicado é uma área destinada para a moradia popular, por ser Zona de Interesse Social (Zeis), previsto no Plano Diretor no município, no entanto, os líderes do movimento alegam que a Cetesb dificulta a liberação de documentação e aprovação do espaço para esse fim. Praticamente todos os vereadores usaram da palavra, dada a importância do assunto alguns foram até a tribuna para declarar apoio aos manifestantes, acreditando ser legitima a busca pela moradia própria. 

Não constante na ordem do dia e à pedido dos vereadores, a administração da Casa preparou a moção de apoio 26/2015, aprovada por unanimidade que declara apoio ao movimento do MTST e as reivindicações das lideranças. Com gritos ensaiados os participantes agradeceram aos vereadores pelo apoio. 

"Hoje com essa Casa de Leis muito bonita com pessoas do bem que vieram aqui com um só proposito, brigar pelo direito de uma moradia, todos nos pai de família sonhamos em ter uma moradia e precisamos para cuidar da nossa família. Quando nos ficamos sabendo que vocês vinham aqui hoje tiramos algumas coisas da pauta justamente para atender vocês. Porque não legalizar esse ou outro terreno?", disse o presidente da Câmara, Ney Santos. 

Os vereadores aprovaram a moção de repúdio, 26/2015, de autoria do vereador Jefferson Siqueira, contra o ato da 19º Parada Gay de São Paulo, que ocorreu no último domingo, dia 07. A moção repudia e afirma que o ato em questão ofende os princípios cristãos e também sociais. No grande expediente usaram da palavra, os vereadores Doda Pinheiro, Jefferson Siqueira, Gilson Oliveira, Rosana Almeida, Dra. Beth e Ney Santos que caracterizaram o fato como falta de respeito. A vereadora Dra. Beth ainda acrescentou que feriu toda sociedade e também foi contra a saúde pública, diante da exposição as doenças em muitos atos. Os patrocinadores e a organização do evento também foram alvos de criticas.  

Moção de Pesar  

A moção de pesar 22/2015, de autoria da vereadora Rosana Almeida, pelo falecimento do jovem GCM Paulino, de 34 anos, vitima de um acidente de carro na Avenida Bandeirantes na madrugada da terça-feira, dia 09. Os vereadores lamentaram a morte e salientaram a falta de responsabilidade do empresário de 39 anos, que avançou o sinal vermelho em decorrência de um "racha" que participava, em uma das principais avenidas de São Paulo, e dessa forma assumiu o risco de ferir alguém no caminho.  

Também foi aprovada a moção de pesar 23/2015, de autoria do vereador João Leite, pelo falecimento do deputado estadual eleito pelo Pros, Welington Landim, 59 anos, que ocorreu na manhã da terça-feira, dia 09, em decorrência de meningite bacteriana.

Os vereadores receberam a visita do vereador da cidade de Barueri, Góes de Albuquerque. 


Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.