Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Debate em Embu das Artes diz “Não” à redução da maioridade penal

Por Prefeitura da Estância Turística de Embu das Artes | 22/05/2015

maioridade

Divulgação

“Eu sou contra a redução da maioridade penal”, essa foi a opinião unânime dos participantes da roda de conversa que debateu a “redução da maioridade penal para 16 anos”, prevista num Projeto de Emenda à Constituição ancorado nos anos 90 e resgatado recentemente por alguns parlamentares do Congresso Nacional.

O debate fez parte da programação do 2º Encontrão de Cultura Urbana de Embu as Artes que ocorreu no sábado (16/5), no Núcleo de Hip Hop Zumaluma, e reuniu rappers, b-boys, djs, grafiteiros, professores, arte-educadores, assistentes sociais, estudantes, Frente Luta pela Água, Movimento Jovem Islâmico, Prefeitura de Embu das Artes, Lute pela Água (LPA), Jornal A Nova Democracia  e Instituto Pilar.

Muitos argumentos foram apresentados pelos debatedores, para firmar suas posições contrárias à redução, entre eles: “Pretos e pobres da periferia não podem ser a favor, pois seremos os únicos penalizados por isso”, “Devemos responsabilizar as três esferas do Poder Público, as famílias e a sociedade antes de pensar em punição”, “Vamos pensar em outras formas de diminuir a violência do que apenas punir”, “Educação é a principal reforma”, “A pedagogia é arcaica nas escolas e os maus tratos ou ausência dos pais são os causadores da violência”, “Para muitos, o problema só se resolve em penalizar as classes mais baixas, é momento de discutir a mudança da atitude política”.

E continua: “Fortalecer a sociedade não depende só de política”, “Criança precisar brincar”, “Muitos são contra as cotas raciais nas universidades, mas as cotas para adolescentes ricos na Fundação CASA não são preenchidas”, “Questiono: a intenção não seria econômica? “Reduzindo a maioridade, você dará direitos e poder de consumo para 21 milhões de adolescentes”, “Estamos criando máquinas, e não pessoas com poder para pensar, reproduzir e absorver conhecimento”, “Violência é ausência de oportunidades, lazer e estudo”, “Cadeia desumaniza o preso”, “Sistema estimula pela publicidade o “ter” bens materiais, mas não dá poder de compra”, “Sistema culpa mas não apresenta alternativas”, “Se eu não existo, porque cobram tanto de mim?”.

O arte-educador Panikinho acredita que a sociedade precisa dar um novo resignificado aos meninos envolvidos na criminalidade, como faz a cultura hip hop: “A referência que eles têm nos guetos é negativa”.

“Na Zumaluma, o adolescente tem espaço para se expressar, ser ouvido e acolhido”, declarou a coordenadora de Projetos, Maria Edijane Alves.

O conteúdo do debate irá gerar um documento oficial, que deverá ser entregue aos vários órgãos públicos, governos, prefeituras, secretarias, justiça, câmaras etc.

Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.