Você está aqui: Página Inicial » Notícias » Cotidiano

Após mais de 20 dias de greve dos garis nova audiência acontece na tarde desta terça

Por Direto da Redação do Jornal na Net | 14/04/2015

lixo

ReproduçãoGreve dos coletores de lixo e varredores de ruas em Taboão da Serra já dura mais de 20 dias 

Os coletores de lixo e varredores de ruas estão em greve desde o dia 23 de março e a cada audiência de conciliação parece que a situação não terá fim. O impasse entre sindicato e patrões dificulta as negociações e nova audiência foi marcada para esta terça-feira, dia 14, às 14h30, no Tribunal Regional do Trabalho para tentar encerrar a greve. Na manhã de ontem, dia 13, os trabalhadores foram novamente para as ruas em Taboão da Serra e fecharam parcialmente a Rodovia Régis Bittencourt na altura do Atacadista Assaí, sentido São Paulo, no objetivo de atrair atenção para a questão. 

De acordo com o juiz Celso Ricardo Peel Furtado de Oliveira, relator da cautelar que trata da greve dos Trabalhadores da Limpeza Urbana, a audiência tem como objetivo tentar um acordo entre as duas partes. Segue também sem data prevista o julgamento da greve pelo Ministério Publico e Tribunal Regional do Trabalho. 

"Ainda sem data para ocorrer, o julgamento do dissídio coletivo envolvendo a categoria decidirá, dentre outras questões, sobre a legalidade da greve, compensação dos dias parados e aplicação de multas por descumprimento da liminar – ainda em vigor – que determina o funcionamento de 70% dos serviços de limpeza pública, coleta domiciliar e varrição de ruas e 100% dos serviços de coleta hospitalar e aterro sanitário. A multa diária por descumprimento foi fixada em R$ 100 mil", diz assessoria de imprensa do TRT. 

Para o presidente da Federação que representa todos os sindicatos dos trabalhadores da categoria (Femaco), Roberto Santiago, a questão teria sido resolvida a muito tempo caso não ocorresse inflexibilidade por parte do sindicato patronal. “Enquanto mais de 30 cidades fecharam acordo de reajuste equivalente aos 9,5%, o Selur oferece, intransigentemente, um reajuste de apenas 8,5%. Isso é lamentável”, aponta Santiago. Que ainda completou que mesmo após mais de 20 dias, os trabalhadores seguem firmes "os trabalhadores continuam firmes, unidos e em greve. Os patrões querem nos derrotar pelo cansaço, mas não vão. O movimento continua sem data para terminar. Já fomos coagidos e assediados moralmente, porém, não vamos recuar nos nossos pedidos. Os trabalhadores estão lutando pelos seus direitos, pela sua dignidade”, afirmou.  




Comentários

As matérias são responsabilidade do Jornal na Net, exceto, textos que expressem opiniões pessoais, assinados, que não refletem, necessariamente, a opinião do site. Cópias são autorizadas, desde que a fonte seja citada e o conteúdo não seja modificado.